Juventude e Coritiba são os intrusos na festa paulista em que se transformou o Campeonato Brasileiro. O time gaúcho está na quarta colocação e o paranaense, na sétima. Seus representantes não se surpreendem com o domínio de São Paulo, para eles conseqüência da organização e do maior poderio financeiro, mas ressaltam que suas equipes não estão bem posicionadas na competição por acaso.

O vice-presidente de Esportes do Juventude, Iguatemy Ferreira Filho, acredita que a boa campanha da equipe de Caxias do Sul é reflexo do trabalho realizado na pré-temporada. “Tudo transcorreu muito bem, conforme o planejamento. Também acertamos na comissão técnica (dirigida pelo técnico Ricardo Gomes). Dessa forma, tivemos uma boa arrancada, que nos permitiu somar muitos pontos, pois sabíamos que a segunda metade da fase de classificação seria difícil”, diz Iguatemy.

O técnico do Coritiba, Paulo Bonamigo, utiliza o bom humor para comentar a situação atual do Brasileiro. “O Coritiba está disputando o Campeonato Paulista”, brinca. Ele também destaca a capacidade de investimento dos clubes de São Paulo, que possibilita a formação de elencos homogêneos.

O meia Sérgio Manoel não concorda que definam como “surpresa” o fato de o Coritiba estar entre os oito primeiros. “O Coritiba mantém regularidade, apesar das derrotas nos três últimos jogos. Desde o início está entre os oito.”

Já o dirigente do Coritiba Domingos Moro observa na tabela a “geografia” do futebol. “Não tem como negar a supremacia, a força e a organização dos times paulistas”. Para ele, o Sul está tentando acertar-se também e não há qualquer surpresa na presença de Coritiba e Juventude entre os oito primeiros. Na sua opinião, somente a ausência dos dois times de Porto Alegre e dos mineiros chega a surpreender.