Foi mais difícil do que o esperado, mas Novak Djokovic garantiu vaga nas semifinais do US Open na noite da última terça-feira. O líder do ranking mundial suou diante do espanhol Feliciano López, número 19 do mundo, mas levou a melhor ao triunfar por 3 sets a 1, com parciais de 6/1, 3/6, 6/3 e 7/6 (7/2).

Agora, Djokovic se prepara para enfrentar o atual campeão do Grand Slam norte-americano, o croata Marin Cilic, que passou pelo francês Jo-Wilfried Tsonga em cinco sets nas quartas. Apesar de ter vencido em Flushing Meadows em 2014, Cilic jamais triunfou sobre Djokovic em 13 partidas entre eles.

Para chegar à nona semifinal de Grand Slam seguida, sendo a 22.ª nos últimos 23, Djokovic precisou superar a própria oscilação. O sérvio começou arrasador e demorou somente cerca de 20 minutos para abrir 5 a 0 no primeiro set. Logo depois, o fechou com facilidade.

Mas na segunda parcial, os bons saques e o ritmo veloz que o sérvio vinha imprimindo foram substituídos por erros e frustração. López abriu 3 a 0 e confirmou a vitória. O sérvio não escondeu a irritação, esbravejou e ameaçou quebrar a raquete, mas voltou diferente após a derrota.

Os dois últimos sets foram bastante equilibrados, mas Djokovic soube se impor nos momentos decisivos e superou as oscilações para levar a melhor. “Foi frustrante em alguns momentos, mas isso é quartas de final de um Grand Slam. É isso que se espera”, disse após a partida.

Nesta quarta-feira acontecerão as outras duas partidas das quartas de final, com destaque para o suíço Roger Federer, número 2 do mundo, que duela com o francês Richard Gasquet. Antes, o também suíço Stan Wawrinka mede forças com o sul-africano Kevin Anderson. Os vencedores destas partidas jogarão por uma vaga na final.