Era uma tradição na Tribuna do Paraná a gente fazer a seleção da primeira fase do Campeonato Paranaense – e, claro, da segunda também. São retratos a quente da temporada, que naturalmente têm imperfeições, mas valem como um registro de um período. Desta vez, até por conta dessa nossa parada forçada, por conta da pandemia do novo coronavírus, estendi um pouco a corda pra fazer uma seleção do futebol paranaense nestes quase dois meses de futebol.

+ No podcast De Letra, uma pergunta: Mário Celso Petraglia é o maior nome da história do Athletico?

Até agora, o Athletico fez 14 jogos oficiais, o Coritiba 12 e o Paraná Clube 14 – cada time entrou em campo onze vezes pelo Paranaense, o Furacão jogou também Supercopa do Brasil e Copa Libertadores e Coxa e Tricolor atuaram pela Copa do Brasil. Tivemos personagens, destaques, algumas posições carentes (que me obrigaram a fazer uma adaptação no time), surpresas e as unanimidades de sempre.

Vamos à seleção!

Alisson – Paraná

O goleiro paranista, que terminou esse primeiro estágio da temporada se recuperando de uma lesão, teve atuações incríveis, sendo decisivo para que o Tricolor conquistasse resultados importantes.

Alisson, o camisa 1 do Tricolor. Foto: Albari Rosa/Foto Digital

+ Sessão Quarentena: jogos dos nossos times na íntegra

Yan Couto – Coritiba

O menino de seis milhões de euros mostrou em pouco tempo (só 159 minutos em campo) que realmente sobra na turma. Talentoso na frente e dedicado na defesa, fez entender porque Barcelona e Manchester City se enfiaram em uma briga para contratá-lo.

Thales – Paraná

O zagueiro chegou de mansinho, sabendo que precisava mostrar serviço para seguir no Paraná Clube. E acabou formando uma boa dupla com Fabrício – o capitão tricolor aparece mais, por conta da liderança, mas o seu companheiro de zaga vem jogando mais.

Thiago Heleno – Athletico

O General passou a ter mais responsabilidade, liderando um time de garotos do Athletico neste início de ano. Depois de um começo ruim contra o Flamengo, voltou a se firmar, inclusive sendo o melhor do time na derrota para o Colo-Colo pela Libertadores.

Thiago Heleno segue em alta. Foto: Albari Rosa/Arquivo

Adriano – Athletico

Sim, ele está jogando na lateral-direita. Mas preferi escalar dois jogadores talentosos na laterais – e, convenhamos, pelo lado esquerdo não temos nenhum destaque. Adriano começou a fazer o que se espera dele: um jogador diferenciado, que joga o fino.

Carlos Dias – Paraná

A revelação do ano até agora. O volante demonstrou muita maturidade desde que foi escalado por Allan Aal. Marca muito bem e ajuda na criação, na medida do possível. Em alguns jogos, teve que segurar a onda sozinho no meio-campo, e foi bem.

Matheus Sales – Coritiba

O volante alviverde passou a ter mais obrigações ofensivas com Eduardo Barroca, e vem desempenhando bem o papel. Passou a ser fundamental no esquema de jogo do Coxa, e foi premiado com o belo gol marcado no Atletiba.

Matheus Sales vem se destacando. Foto: Felipe Rosa/Arquivo

Nikão – Athletico

Constância é a marca do camisa 11 rubro-negro. Depois de perder muitos de seus companheiros em campo, Nikão assumiu a bronca e segue jogando muito bem. Um raro caso de jogador sempre aplaudido pelo torcedor.

+ Especial: o aniversário do Athletico através dos anos

Renan Bressan – Paraná

O camisa 10 tricolor foi o protagonista dos minutos mais insanos do futebol paranaense nos últimos anos. Liderou a virada sobre o Bahia de Feira que classificou o Paraná para a terceira fase da Copa do Brasil. E tecnicamente é o melhor jogador do elenco.

Renan Bressan em alta. Foto: Albari Rosa/Foto Digital

Rafinha – Coritiba

É hoje o jogador mais decisivo do futebol paranaense. Sua importância para o Coritiba é gigantesca – tecnicamente e psicologicamente. Quando o camisa 7 alviverde está bem, os companheiros dele ficam mais confiantes. Continua sendo o ídolo coxa.

Pedrinho – Athletico

O artilheiro do Campeonato Paranaense também fez alguns dos gols mais bonitos do início da temporada. Rápido e ótimo finalizador, merece ser testado no time principal do Athletico. A parada do futebol não pode fazer Dorival Júnior esquecer o camisa 9 dos aspirantes.

Também foram bem

Registro que Rhodolfo (Coritiba) e Thiago Alves (Paraná) tiveram bons momentos, que Guilherme Bissoli (Athletico) fez o gol mais bonito de 2020 no futebol brasileiro e Christian (Athletico) foi muito bem, mas a subida para o time principal sem jogar interrompeu sua evolução.

Marcelo Caranhato – FC Cascavel

O melhor técnico é o comandante do FC Cascavel, que manteve o time na briga pelo título da primeira fase do Paranaense, encarou de frente o Trio de Ferro, recuperou jogadores (como Paulo Sérgio) e, acima de tudo, montou uma equipe muito eficiente. Olho no Caranhato.

Marcelo Caranhato, o técnico do momento. Foto: Albari Rosa/Foto Digital

+ Confira todos os posts do blog AQUI!