Hoje, quinta-feira, 26 de março, o Athletico faz 96 anos. Neste aniversário, o parabéns vai principalmente para o torcedor, que é o maior patrimônio do clube, aquele que está ao lado do Furacão em todos os momentos. Os grandes momentos da história atleticana sempre tiveram a intervenção decisiva da galera, e ficam aos rubro-negros os meus respeitos.

+ No podcast De Letra, uma pergunta: Mário Celso Petraglia é o maior nome da história do Furacão?

Pra homenagear o Athletico, puxei dez outros dias 26 de março para ver como o aniversário foi comemorado através dos anos – em alguns momentos de forma bem contrastante com o clube que o Furacão se tornou. Embarque comigo na máquina do tempo!

1929 – Athletico aos cinco anos

Um dos primeiros registros de aniversário do Athletico (com H e tudo) é de 1929 – o quinto ano, portanto. Nos jornais O Dia e Diário da Tarde, homenagens breves. Abaixo vai um trecho do texto de O Dia. E naquele tempo já se elogiava o ‘vanguardismo’ rubro-negro.

Foto: Reprodução/Biblioteca Nacional

1935 – Salve!

Textos repletos de exclamações eram marca da imprensa nos anos 1930. E foi assim que o Diário da Tarde homenageou os 11 anos do Athletico. Curiosidade: o décimo aniversário foi pouco divulgado porque caiu numa segunda, dia em que a maioria dos jornais não era publicado.

Foto: Reprodução/Biblioteca Nacional

+ “Sessão Quarentena”: jogos antigos na íntegra!

1947 – Apelido histórico

Antes de virar o Furacão, por conta do time campeão paranaense de 1949, o Athletico era conhecido por “Clube da Raça”, como o jornal O Dia citou na homenagem ao 23º aniversário rubro-negro.

1954 – Trintão

Os dois apelidos estão no registro do 30º aniversário do Athletico. Só que o Furacão ainda era mais para citar o time de 49, não o clube em si. O Dia chama o Rubro-Negro de “querido e simpático” – hoje, chame o time de um torcedor de simpático pra ver que resposta sai…

1957 – Pra história

Esse registro é bem bacana pra mim, porque é do jornal Paraná Esportivo, o primeiro a tratar só de futebol na imprensa paranaense. Doze (ou 16) páginas diárias falando de futebol e outros esportes, uma proeza para aqueles tempos. Curiosidade: a festa seria um “delicado coquetel” para jornalistas, dirigentes e torcedores.

1960 – O Cartola

O Cartola foi mascote do Athletico por longo tempo. Na homenagem do Correio do Paraná aos 36 anos do Furacão, ele está lá ele. E também um erro de português na manchete: faltando um S na palavra existência.

1971 – Exposição

Para comemorar 47 anos, o Athletico realizou uma “exposição retrospectiva”, como definiu o Diário da Tarde. Foi uma promoção em conjunto com a Biblioteca Pública do Paraná. Uma ideia que cairia bem se fosse repetida.

1974 – Furacão Cinquentão

No dia 26 de março de 1974, o Athletico chegava aos 50 anos, e a foto ao lado da matéria era… De Zé Roberto com a camisa do Coritiba? O jornalismo esportivo era diferente e o público também era… Mas a matéria aponta um detalhe importante, que ressalto: “Talvez os fundadores do Clube Atlético Paranaense não imaginassem a força popular que o novo clube teria e o fascínio que ele exerceria sobre as novas gerações”. Texto profético.

1978 – Sem jogo

O Diário do Paraná relatou que houve festa – “baile de muito carnaval e chope” – para comemorar os 54 anos do Athletico, mas que não houve um jogo festivo.

1985 – Com jogo

O aniversário de 61 anos não só teve jogo (contra o Taubaté) mas também foi a primeira partida da equipe naquele 1985 – fora do Campeonato Brasileiro, o Furacão estava sem competições naquele momento.

+ Confira todos os posts do blog AQUI!