O destino do Coritiba neste Brasileirão passa, obrigatoriamente, por um bom resultado em casa, domingo, frente ao Palmeiras. Ainda mais com a surpreendente vitória da Chapecoense, ontem, em pleno Maracanã, sobre o Fluminense, que recolocou o Coxa na maldita zona de rebaixamento. Com muitos times “embolados” nesta luta para não cair, até mesmo um empate poderá ter sabor de derrota. Um confronto direto inesperado para a grande maioria e frustrante para um ídolo das duas torcidas. Alex, hoje dono da camisa 10 do Coxa, viveu o auge de sua carreira no outro verde, o do Porco. Um cenário que frustra o craque, já na reta final de sua contagem regressiva para a aposentadoria. Na teoria, restam pouco mais de 270 minutos de ‘vida’ para Alex, dentro das quatro linhas.

“É triste ver essa situação. No meu lado, queria estar disputando na parte de cima da tabela. Da mesma forma, pela grandeza do Palmeiras, em um ano importante para o clube, imaginava que o quadro seria outro. Mas, é o que temos”, disse Alex. “Resta buscarmos fazer um grande jogo e buscar um resultado capaz de tirar o Coritiba desse sufoco”. O meia confessa que quando decidiu retornar ao Brasil e encerrar a carreira no clube em que surgiu para o futebol, jamais imaginou que pudesse viver um drama tão intenso durante toda a temporada. “Queria emoções diferentes. Mas, não lamento. É o que fica e espero passar imune por essa situação”.

Alex não esconde que esperava ter tido uma contrapartida melhor do clube, que nas últimas temporadas se limitou à frustrante luta pela permanência na primeira divisão. “É claro que o pensamento era outro. Mas, agora o que nos resta é fazer um final de temporada digno, livrando o Coritiba do rebaixamento”. Um quadro que tem impedido Alex de ‘se divertir’ nesses últimos momentos como jogador de futebol. “Há toda uma tensão pelas dificuldades que todos conhecem. Mas, restam nove pontos e temos que fazer bem a nossa parte, principalmente nos dois jogos marcados para o Couto Pereira”. Alex, no domingo, deixa o ‘coração dividido’ de lado para tentar fazer o seu melhor pelo Coritiba. “A cada jogo, passa muita coisa pela cabeça da gente. Tem sido assim a cada rodada. Saber que será o último jogo em determinado estádio… É olhar para trás, com satisfação, e ver que construí uma campanha de respeito. Que escrevi meu nome nos vários lugares por onde joguei. Isso me traz uma satisfação enorme”, comentou.