O Coritiba pode tirar proveito, pelo menos no aspecto esportivo, da paralisação do futebol por causa da pandemia do coronavírus. Para isso, a diretoria terá que ser precisa no mercado da bola, que segue na ativa mesmo com os campeonatos suspensos.

Segundo o presidente Samir Namur, a ideia é apresentar até cinco reforços para o Brasileirão, com capacidade para assumirem a titularidade. A medida é para fortalecer o elenco justamente no período do ano em que o clube terá mais receitas com cotas de televisão e renda dos jogos na Série A.

O Coxa precisa buscar peças em determinadas posições. Com a saída programada do lateral-direito Yan Couto, em junho, para o Manchester City, da Inglaterra, o Alviverde necessita de um jogador que chegue para resolver o setor.

Outra posição que necessita reforço é o ataque. Com a saída de Guilherme Parede, o Coritiba tem poucas peças para atuar pelos lados do campo. Sem alternativas, o técnico Eduardo Barroca já até testou dois centroavantes juntos contra o PSTC, mas a estratégia não deu certo. Além disso, mais um meia de criação é essencial para o Brasileirão.

+ Podcast De Letra: O efeito coronavírus no futebol

Lado ruim…

O maior problema para o clube pelo lado esportivo é o tempo sem treinamentos. Os jogadores foram liberados das atividades por período indeterminado. Para o treinador, este era o momento da temporada em que a equipe mais apresentava “evolução”, uma palavra bastante usada por ele.

Na ideia de Barroca, o Coritiba estava com uma defesa mais sólida e havia melhorado a criação das jogadas ofensivas. Nos últimos quatro jogos, diante de Cianorte, Toledo, PSTC e Athletico, o Coxa sofreu apenas um gol (em um pênalti contestado pelo próprio treinador, no empate com o Toledo).

Defesa e ataque do Coritiba estavam se encaixando e time estava em evolução nos últimos jogos. Foto: Gabriel Rosa/Foto Digital/Tribuna do Paraná

O lado ofensivo mostrou seu poderio no Atletiba. O Alviverde dominou as ações, criou e foi efetivo. Resultado: fez três gols apenas no primeiro tempo e venceu com tranquilidade por 4×0.

Perdas financeiras…

Além dos aspectos relacionados ao campo, em que há como prever possíveis ganhos (e perdas), o Coritiba terá de enfrentar desafios financeiros ao longo do período em que o futebol estiver em recesso.

Há uma preocupação com perdas de sócios, por causa da falta de jogos no período. Sem as partidas, o clube também vê caírem receitas com bilheteria e demais serviços prestados no Couto Pereira.

+ Mais do Coxa:

+ Hélio Cury diz que Paranaense será decidido no campo
+ Coritiba faz reembolso pra quem comprou ingresso pro Atletiba
+ Coritiba troca patrocínios do Couto por avisos sobre coronavírus