O Coritiba tenta colocar um fim, hoje, à série de derrotas seguidas no Campeonato Brasileiro. O time encara o Vasco, em São Januário, às 21h, levando a incômoda marca de três revezes consecutivos no Nacional. Computada a derrota por 1 x 0 para o Grêmio, pela Copa Sul-Americana, já são quatro resultados negativos, fato que levou o técnico Marcelo Oliveira a admitir que este é pior momento do time, desde que assumiu a equipe, há duas temporadas. “Teve o momento de alegria, das 24 vitórias, o momento das finais que chegamos, das comemorações dos títulos. E o momento de dificuldade também é nosso. Lógico que eu sou o comandante e sou o primeiro alvo. É um momento que ninguém quer passar. Tem que haver superação. Se nunca passamos por isto, este é o pior momento nas duas temporadas que estamos à frente do Coritiba”, disse o treinador, em entrevista coletiva, ontem.

Reverter a má fase também é fundamental, devido à situação do time na classificação. Com 15 pontos, corre o risco de terminar a 17.ª rodada na zona de rebaixamento, caso sofra uma nova derrota. O treinador reconhece que a situação é preocupante, mas não desesperadora. Não podemos perder a confiança, a tranquilidade, porque e muito duro é muito sacrificante você trabalhar na parte de baixo da tabela. Se tivéssemos vencido o Corinthians, estaríamos com a mesma pontuação do ano passado (na mesma fase). Então temos que lutar, temos que reagir, mas sem desespero”, prega.

Mais uma vez, no entanto, o técnico terá que administrar desfalques. Embora conte com os retornos do volante William e dos meias Robinho e Rafinha, o time não terá o atacante Leonardo, que sentiu uma lesão no músculo adutor da coxa direita e foi vetado. Esta seria a sétima partida do jogador, o que o impediria de se transferir para clubes da Série A. O centroavante estaria sofrendo assédio do Atlético-MG, fato que foi criticado pelo treinador alviverde. “É muito perigoso e muito difícil este tipo de situação. Se houver clube interessado que venha conversar com o Coritiba. Acho que este é o caminho correto para que as coisas se tornem bem claras e o atleta possa jogar ou deixar de jogar, para sair para outro clube”, comentou.

Com a baixa repentina de Leonardo, a formação do ataque ficou indefinida. Roberto, Anderson Aquino e Alex Santos disputam a posição no time, que deve jogar com dois meias, Robinho e Éverton Ribeiro e Rafinha mais adiantado.