O impasse envolvendo a continuidade da Turner nas transmissões do Brasileirão afeta diretamente a realidade financeira do Coritiba. O clube, que estimava receber cerca de R$ 20 milhões com direitos de transmissão de TV fechada nesta temporada, corre risco de ficar com essa receita zerada.

O problema gira em torno do contrato com o grupo de mídia americano, firmado ainda em 2016 e válido desde o ano passado na Série A.

Ao lado de Athletico, Bahia, Ceará, Fortaleza, Internacional, Palmeiras e Santos, o Coxa briga para que o acordo seja mantido. No pior dos cenários, que ele seja rescindido mediante uma compensação importante.

No entanto, há possibilidade de que a empresa e os times saiam no zero a zero: os direitos voltariam para os clubes, que não receberiam nada pela quebra de contrato, válido até 2024. E aí está o grande risco para o Coritiba.

Sem a concorrência de TNT e Space, que pertencem à Turner, o SporTV seria a única alternativa na TV fechada. A menos que outro parceiro surja no mercado, os clubes teriam pouco poder de barganha para negociar com o canal da Globo, já parceiro de outros 11 times do Brasileirão 2020. O Red Bull Bragantino é o único que ainda não tem vínculo com ninguém.

Como mostra, em média, apenas duas partidas por rodada, o SporTV não tem necessidade de adquirir mais direitos. Especialmente pelo fato de o mesmo grupo contar com 19 clubes no Premiere, sua plataforma de pay-per-view (PPV) – o Athletico é a exceção.

A pandemia do novo coronavírus, aliás, reforça a tendência da Globo em reduzir investimentos não essenciais, que é o caso dos direitos na televisão paga, mídia que vem perdendo assinantes nos últimos anos.

Ou seja, se o panorama acima se confirmar, o Coxa está nas mãos da Globo, especialmente por causa do contexto econômico no qual está inserido. O clube também não tem contrato de TV aberta (maior fonte de receita dos clubes) e PPV. E, novamente, a emissora carioca é opção única.

+ Podcast De Letra: O convidado da semana é Carlinhos Neves, que completa 40 anos de carreira

Para as equipes hoje vinculadas à Turner, nesse cenário, o mais lógico seria uma negociação em bloco, já que eles representam 40% do campeonato. Ou, então, usar o precedente da MP 984 e tentar vender individualmente seus jogos como mandantes a outros canais. Isso, claro, se a medida provisória (duração de até 120 dias) se tornar uma lei.

Durante a pandemia, a ausência de contratos de TV também atrapalhou o Coxa de outra forma. O clube não teve acesso à linha de crédito oferecida pela CBF porque a garantia para o repasse de R$ 5 milhões é ligada à verba a receber dos direitos de transmissão.

Já os pagamentos da Turner, que deveriam totalizar R$ 10 milhões (parcela igualitária) entre maio e julho, foram suspensos por causa do impasse contratual milionário.

+ Mais do Coxa:

+ De contrato renovado com o Coritiba, Rafael Lima já pensa no futuro
+ Athletico segue proibido de treinar; Coritiba e Paraná estão liberados
+ Yan Couto não joga mais pelo Coritiba, mesmo com janela adiada


A Tribuna precisa do seu apoio! 🤝

Neste cenário de pandemia por covid-19, nós intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise.

Porém, o momento também trouxe queda de receitas para o nosso jornal, por isso contamos com sua ajuda para continuarmos este trabalho e construirmos juntos uma sociedade melhor. Bora ajudar?