Acabou o mistério. Em uma festa realizada ontem, no Couto Pereira, para comemorar os 103 anos de história do Coritiba, o presidente Vilson Ribeiro de Andrade revelou o tão aguardado presente para a torcida: a reforma do setor da Mauá. Esta será a primeira medida para a revitalização total do estádio.

A reta será totalmente refeita, ganhando o tão sonhado terceiro anel e se tornará uma parte VIP do Couto, contando com 38 camarotes, 4 mil cadeiras sociais, lanchonetes e lounges. Entretanto, a capacidade do setor será diminuída de 5.193 para 4.754 lugares.

Ainda não existe uma previsão para o início das obras no local, mas a expectativa é que tudo esteja concluído já na próxima temporada. Por força de contrato, o clube não revelou valores e nem mesmo os parceiros que viabilizaram o projeto. A promessa é de que o setor não seja fechado durante as obras. “Podemos antecipar que os sócios que hoje ocupam o setor serão tratados com muito carinho e terão preferência nas negociações que irão acontecer”, disse o presidente. “Temos um compromisso com a verdade e a transparência. Este é um time que não usa subterfúgios e nem assina decretos na calada da noite para receber ajuda”, completou.

A tendência é que, aos poucos, o Couto Pereira seja totalmente reformulado, seguindo a tradição. Quando construído, o estádio não foi feito de uma vez só. Primeiro, foi construído o setor da rua Amâncio Moro. Depois, o setor da Mauá foi levantado com arquibancadas de madeira – somente na década de 1970 é que foi feito de concreto. No final dos anos 1960 é que o Couto ficou totalmente pronto. Uma lembrança que emocionou Vilson Ribeiro. “Todos sabem como foi dificil construir este estádio, pedra a pedra, tijolo a tijolo. Hoje é um dos dias mais felizes da minha vida e um dia muito importante para todos nós”, declarou.

Marco André lima
Quase 10 mil torcedores acompanharam o anúncio do “presente”.