O presidente Vilson Ribeiro de Andrade declarou na semana passada que o problema do Coritiba, neste momento, no Campeonato Brasileiro, tem sido a boa campanha do rival Atlético, que atualmente está na terceira colocação, e dentro do G4. Mas o troco coxa-branca pode vir da disputa da Copa Sul-Americana. Não só pelo título internacional em si, mas também por que a eventual taça continental poderia tirar o Furacão da Libertadores do ano que vem.

Atualmente, o Brasil tem direito a cinco vagas no principal torneio da América do Sul, assim distribuídas: uma para o campeão da Copa do Brasil e outras quatro para os primeiros colocados do Brasileirão. Só que o 4.º colocado entra na fase préLibertadores, enquanto os demais clubes já ingressam direto na fase de grupos.

O número de representantes brasileiros só pode chegar a seis caso um clube do País conquiste a Libertadores. Por isso, desde 2011 são seis brasileiros disputando o torneio, graças aos títulos de Internacional, em 2010; Santos, em 2011; Corinthians, em 2012, e Atlético-MG. A recente conquista do Galo já garante seis equipes em 2014. Desta forma, o terceiro colocado no Brasileirão também disputa a fase pré-eliminar.

Este critério tem sido utilizado desde a edição de 2004 da Libertadores, quando o Brasil ganhou o direito às cinco vagas. No entanto, desde 2011 a Conmebol decidiu que o campeão da Copa Sul-Americana automaticamente garante uma vaga na fase preliminar da Libertadores, mas pegando um dos lugares reservados ao seu país. Ou seja, se por acaso um time brasileiro faturar a Sul-Americana, ele herda a vaga que seria destinada ao quarto colocado do Brasileirão, transformando o tradicional G4 em G3.

Rivalidade

No caso da dupla Atletiba, se o Coxa ganhar o torneio e o Rubro-Negro ficar em quarto, o Coritiba ficaria com a vaga que seria do Atlético, o que aumentaria ainda mais a rivalidade, uma vez que a partida final da Sul-Americana acontece após o término do Campeonato Brasileiro. Porém, caso o Furacão fature a Copa do Brasil, ou termine o Brasileirão entre os três primeiros, já garante a vaga na Libertadores, independentemente do campeão da Sul-Americana ser o Alviverde ou qualquer outro brasileiro.

No ano passado, o São Paulo passou por uma situação semelhante, brigando para retornar à Libertadores, tanto pelo Brasileirão, onde terminou em quarto, quanto pela Sul-Americana, da qual foi campeão. Porém, caso tivesse ficado em quinto lugar, também estaria classificado, ‘roubando’ a vaga de quem terminaria em quarto.