Quando, mais de meia hora depois do apito final, Alex entrou no gramado do Couto Pereira e andou lentamente até sentar, ao lado do filho Felipe, bem no centro do gramado, ele já era ex-jogador profissional. Naqueles instantes solitários (poucos porque logo fotógrafos correram para registrar a cena), muita coisa pode ter passado na cabeça dele. Desde aquela tarde de abril de 1995 até toda a emoção do jogo de ontem, mais uma vez passava o filme da carreira. E quis o destino que o time coxa-branca, no último ato do Menino de Ouro do Alto da Glória como jogador de futebol profissional, já tivesse livre de qualquer risco de rebaixamento e, assim, a vitória suada sobre o Bahia, ontem à tarde, no Couto Pereira completamente lotado, fosse marcada por uma grande festa.

Além de todas as homenagens antes do jogo, Alex viu o Couto virar uma só voz pedindo o adiamento da sua aposentadoria e agradecendo pelos seus feitos com a camisa verde e branca. Em campo, a cada toque, a cada cobrança de escanteio e a cada falta perto da área a expectativa nas arquibancadas só aumentava. Em clima de festa, o time coxa-branca viu o Bahia abrir dois gols de vantagem e Zé Love, ainda na etapa inicial, recolocou o time alviverde no jogo.

Nos seus últimos minutos como jogador profissional, Alex tentou, correu, se esforçou. No minuto em que o técnico Marquinhos Santos preparava a substituição e a despedida triunfal de Alex dos gramados, Dudu, candidato a sucessor do craque nas próximas temporadas, empatou a partida.

Aos prantos e extremamente emocionado, Alex deixou o gramado ovacionado e foi recebido primeiramente por sua esposa e seus três filhos, que de braços abertos o esperavam à beira do gramado. Assim, o camisa 10 acompanhou de longe os minutos finais e, no último minuto de partida, vibrou muito com o gol da vitória marcado por Keirrison, que o substituiu, e fechou da melhor maneira possível o jogo festivo de despedida do ídolo alviverde.

Ao apito final do árbitro Marcelo de Lima Henrique, Alex, muito emocionado e com sensação de dever cumprido, deu a volta olímpica, a última como jogador profissional no gramado do Couto Pereira, que após a vitória apertada diante do Bahia, entrou em um clima que parecia mais com a conquista de um título. O último ato do craque foi encerrado e o capitão se despediu dos gramados realizado.

“Me sinto realizado e de olhar para trás de tudo o que passou me dá uma satisfação tremenda. Fiz minha parte e agora vou para o meu lugar, ao lado da minha família e torcer para que o Coritiba conquiste melhores resultados. Antes não existia sinergia entre torcida, jogadores e diretoria. Resgatamos isso e que isso sirva de lição para que daqui para frente essas três pontes caminhem juntas”, destacou.

Elogios

O camisa 10 destacou a importância da vitória na sua despedida e elogiou Keirrison, autor do gol que garantiu o resultado positivo diante do Bahia. “Foi de uma maneira um pouco complicada, mas assim que vale a pena. Não consegui marcar, mas o Keirrison conseguiu. Foi um presente ele ter marcado”, concluiu o craque.