Se o Corinthians joga por sua consagração no Campeonato Brasileiro, o Palmeiras quer ao menos encerrar com dignidade uma temporada repleta de fracassos, neste domingo, às 17 horas, no estádio do Pacaembu, pela 38.ª e última rodada. Invicto há 4 rodadas (dois empates e duas vitórias), Luiz Felipe Scolari finalmente achou a formação ideal da equipe. E o treinador deve mantê-la para tentar atrapalhar o Corinthians na busca do título nacional.

A dúvida de Felipão está na zaga. Mas, com a melhora de Thiago Heleno (ele estava com dores nos pés), o escolhido para voltar à reserva deve ser Henrique. A chance de sair neste domingo com a vitória está principalmente nos pés de Valdivia e de Marcos Assunção. Na rodada passada, o volante foi o herói no triunfo de 1 a 0 sobre o São Paulo, também no Pacaembu.

“Ele bate muito bem na bola”, elogiou Felipão. “Na semana passada, o Arce esteve aqui e disse: ‘ele bate melhor do que eu’. Partindo do Arce, dá pra gente valorizar, porque ele batia na bola como poucos”, contou. “O Assunção tem qualidade na batida da bola que, se for pesquisar no mundo, tem um ou dois que tem essa qualidade”.

Além de apostar nas jogadas de bola parada, a esperança alviverde está também com Valdivia. O chileno tem a confiança do treinador e já mostrou nos últimos jogos que deixou os problemas para trás. Com ele em campo, o Palmeiras deve fazer um jogo aberto. E Felipão espera que seu time consiga se aproveitar com uma possível ansiedade rival. “Tem como tirarmos proveito se tivermos qualidade suficiente e se estivermos bem preparados mentalmente desde o inicio do jogo”.

SUFOCO DESDE O INÍCIO – Na dependência apenas de suas forças, o Corinthians quer fazer valer a força dentro do Pacaembu – é o melhor mandante, com 40 pontos – para não ter de se preocupar com o jogo entre Vasco e Flamengo, no Rio de Janeiro. E para soltar o grito de campeão entalado na última rodada, Tite vai adotar a tática de sufocar o rival desde o início, aproveitando ao apoio de 37 mil vozes.

Assim que Wilson Luiz Seneme apitar o início de jogo, o torcedor notará um time marcando sob pressão e apostando na velocidade de Willian pela direita e Jorge Henrique na esquerda. Tite passou aos jogadores que pretende sair na frente do placar para fazer o Palmeiras se abrir e tentar aproveitar, assim, os contragolpes.

“Tudo é importante agora. Não adianta querer fórmula mágica em momento decisivo. Vamos ter de repetir o que fizemos nos treinamentos e nos jogos. O cara esta condicionado àquilo. Quero que a equipe repita organização de bola parada e tomara que tenha felicidade de repetir desempenho”, pregou Tite.

Movimentação constante é outra estratégia para não esbarrar em uma defesa sólida. “Não podemos ficar pensando no empate no início do jogo. Se a gente mudar o jeito de jogar, vai deixar de repetir o que trouxe até agora. Temos 21 vitórias. É olhar para trás e ver o que nos trouxe até aqui. Se quiser modificar agora vai ser ruim”, descreveu.

A igualdade, segundo Tite, só passará a valer na parte final do clássico. “Se estiver faltando 15 minutos, aí começa a quebrar o ritmo do jogo. A equipe tem de ser o Corinthians, do jeito e a cara que chegou até aqui”.