Morreu nesta sexta-feira o ex-técnico Lori Sandri, que passou por diversos clubes do futebol brasileiro durante sua carreira. Ele tinha 65 anos e morava em Curitiba, junto com a família. Foi vítima de um tumor cerebral, contra o qual lutava há cerca de dois anos.

Gaúcho de Encantado, Lori Sandri fez carreira como jogador no futebol paranaense, atuando como zagueiro na década de 60. Famoso por ter virado técnico muito cedo – estreou aos 27 anos na função -, ele começou a ganhar projeção no Uberaba, no interior mineiro.

Seu maior sucesso como treinador foi no futebol gaúcho, onde conquistou dois títulos estaduais, com o Juventude, em 1998, e o Inter, em 2004. Mas passou também por Atlético-PR, Paraná, Coritiba, Atlético-MG, Criciúma, Goiás, Sport, Santa Cruz e Guarani, entre outros.

Lori Sandri trabalhou também fora do Brasil: no Marítimo, em Portugal, e no Verdy Tóquio, no Japão, além de passagens pelo futebol árabe. Seu último clube foi o Botafogo de Ribeirão Preto, onde esteve no comando durante a disputa do Campeonato Paulista de 2012.

Foi com o mesmo Botafogo que Lori Sandri conseguiu chegar ao vice-campeonato paulista de 2001, ao perder a final para o Corinthians. Naquela campanha, revelou jogadores que depois fariam sucesso no cenário nacional, como o goleiro Doni e o atacante Leandro.

No começo deste ano, Lori Sandri apresentou uma boa melhora na luta contra o câncer e até demonstrou disposição para voltar ao futebol. “O trabalho me deixa feliz”, dizia ele. Mas, depois, acabou piorando e morreu. O enterro acontecerá neste sábado, em Curitiba.