A Fifa aprovou nesta sexta-feira, após os dois dias de reunião do seu comitê executivo em Zurique, uma série de propostas que serão apresentadas ao congresso, que está marcado para maio na cidade de Budapeste. Uma delas vai impactar na disputa do torneio de futebol da Olimpíada, já que os clubes serão obrigados a liberar jogadores sub-23 para os Jogos de Londres.

A medida não vale para os três jogadores com mais de 23 anos que cada equipe pode convocar para o torneio. Os Jogos Olímpicos não fazem parte do calendário oficial do futebol internacional e, por isso, tradicionalmente as confederações negociam a liberações de jogadores com os clubes, como o técnico Mano Menezes tem feito para chamar a seleção brasileira para Londres.

O torneio olímpico de futebol vai começar a ser disputado no dia 25 de julho, exatamente durante a reta final da pré-temporada europeia. Em 2008, Argentina e Barcelona travaram longa disputa pela presença ou não de Lionel Messi nos Jogos de Pequim.

Naquela época, o astro tinha apenas 21 anos. O caso acabou sendo levado para a Corte Arbitral do Esporte, que deu ganho de causa ao time catalão. Apesar disso, o Barcelona recuou na sua posição inicial e liberou Messi para defender a Argentina na Olimpíada. E o astro conquistou a medalha de ouro na China.

A medida vai desagradar os principais clubes europeus, mas a Fifa aprovou outra ação que atende antiga solicitação destes times. A entidade reservou US$ 100 milhões para um seguro para jogadores que estejam defendendo suas seleções nacionais. De acordo com o presidente Joseph Blatter, a medida passará a ter validade em 1º de setembro e valerá em todos os jogos do calendário internacional.

O Comitê Executivo da Fifa também aprovou um novo calendário de compromissos internacionais para o período entre 2015 e 2018. O período passa a ser estruturado em ciclos de dois anos, com nove datas para dois jogos cada. Uma data dupla foi adicionada para junho de 2016 em todas as confederações, exceto a Uefa.

A Fifa também anunciou que o Sudão do Sul vai se tornar o seu 209º membro durante o congresso em Budapeste. Já a federação da Indonésia recebeu um prazo até 15 de junho para resolver os problemas sobre uma liga nacional separatista.