O coordenador da equipe feminina de atletismo no revezamento 4×100, Carlos Alberto de Azevedo Cavalheiro, previu nesta quinta-feira “um ano difícil” para as atletas brasileiras, que terão três competições importantes às vésperas da Olimpíada de 2016. Mesmo assim, Cavalheiro demonstrou otimismo sobre as chances de medalha nos Jogos do Rio, que definiu como “maior objetivo”.

O coordenador está de volta ao Brasil após nove anos trabalhando no Catar. “Era o momento realmente de voltar e ajudar de uma forma geral, com a experiência que eu tenho”, disse Cavalheiro, ex-técnico do medalhista olímpico Robson Caetano. As declarações foram dadas durante treinamento da equipe feminina de revezamento na Escola de Educação Física do Exército (Esefex), na Urca, zona sul do Rio.

O treinamento com as atletas na Esefex se iniciou na segunda-feira, sendo o primeiro de uma temporada que terá Mundial de Revezamento, Jogos Pan-Americanos e Mundial de Atletismo. “Vai ser um ano duro, as meninas vão passar um bom tempo fora do Brasil e é importante que elas se conscientizem que revezamento é equipe, que tem que estar coesa”, destacou.

Segundo Cavalheiro, a medalha olímpica é o principal objetivo, mas a preparação para os Jogos “ainda está um pouco distante”. De acordo com ele, as três competições de 2015 precisam ser encaradas também como busca pelo pódio.

“Os Jogos Pan-Americanos são importantíssimos para a gente, e o Mundial a gente quer tentar repetir o desempenho do ano passado, quando os quatro revezamentos foram à final. É importante estar no cenário mundial, é uma forma inclusive de motivação para as meninas, de mostrar a elas que estão em evolução e que podem chegar aos Jogos Olímpicos em condições de tentar essa medalha, que seria inédita no 4×100 feminino”, considerou.

Mesmo assim, o coordenador destacou que uma evolução nos resultados já será uma conquista. “Temos um objetivo e uma meta. O objetivo nosso é a medalha olímpica. A meta é melhorar o resultado geral da equipe. Então, se nós fizermos abaixo de 42s, a gente estará em condições. A medalha é o mais importante de tudo, mas se você melhorar o resultado coletivo das meninas, ficaremos mais próximos dessa medalha.”