O Atlético recebeu o Operário na noite de hoje, na Arena, e venceu, com muita dificuldade, por 3 a 2. de virada. Com a vitória, o Furacão sobe para primeira colocação no Estadual 2010 e chega a 13 pontos ganhos.

Amanhã, com o complemento da rodada, o Coritiba pode reassumir a liderança caso vença o Iraty. Rubro negro volta a campo no sábado para pegar o Paranavaí, às 16 horas, em casa.

Logo no início da partida a torcida atleticana levou um susto. Baiano tentou o chute, a bola bateu no braço de Rhodolfo dentro da área e o árbitro marcou pênalti.

Baiano bateu no meio do gol e abriu o placar. O Atlético não se abateu e partiu para o abafa, mas sem levar muito perigo para o goleiro Osmar, que visivelmente estava acima do peso.

A ansiedade passou a tomar conta de alguns jogadores do Atlético e a torcida perdeu a paciência com Raul, que não foi bem. Para piorar a situação, Bruno Mineiro, artilheiro do campeonato, sofreu uma entrada dura e teve que ser substituído por Patrick, aos 39 minutos.

No último lance da etapa inicial, Rhodolfo foi atropelado por João Renato dentro da área: pênalti. Alan Bahia cobrou no canto direito e não deu chances para defesa.

Para o segundo tempo, Leandro Niehues colocou Netinho no lugar de Raul. Logo aos 2 minutos uma polêmica. Márcio Azevedo cruzou, Patrick protegeu e foi derrubado dentro da área: o árbitro não marcou nada. Na sequência um lance inacreditável. Baiano cruzou para Ceará, que livre perdeu um gol incrível ao chutar para fora.

Um minuto depois, Gilson cruzou, Manoel tentou dominar dentro da área e a bola sobrou com Clênio, que tocou para o fundo das redes. Após levar o gol, Niehues colocou Bruno Furlan e tirou Manoel. Aos 12, Baier cobrou escanteio, Rhodolfo cabeceou e Gilson colocou a mão na bola para evitar o gol. Pênalti e vermelho para o jogador do Fantasma. Alan Bahia cobrou com paradinha e empatou a partida.

Com um a mais, Furacão veio com tudo pra cima e virou a partida aos 19 minutos. Bola lançada para Patrick, que colocou na frente e bateu no canto, sem chances para Osmar: 3 a 2. A partir daí, rubro negro passou a cadenciar o jogo até o apito final do árbitro.