Foto: Valquir Aureliano/Tribuna
O volante Ticão será a novidade
do rubro-negro no clássico
de amanhã contra o Paraná

Sem mais possibilidades de se classificar para a Libertadores do ano que vem, o Atlético se concentra em garantir uma vaga na Sul-Americana. Não é a mesma coisa, o glamour é menor, os prêmios também, mas para quem quer se expandir fora do País, disputar mais um torneio internacional é a nova prioridade do Rubro-Negro na reta final do Campeonato Brasileiro. Para tanto, precisa somar, pelo menos, mais 11 pontos nos oito jogos que restam.

A partida contra o Fluminense era fundamental para voltar ao principal torneio do continente. Uma vitória sobre os cariocas aumentaria a probabilidade do Furacão chegar entre os quatro primeiros do Nacional. Seria o gás final para entrar de vez na briga. Com a derrota, as chances caíram para 0,8% e viraram apenas um número matemático. Para mudar esse quadro, o time comandado por Evaristo de Macedo teria que vencer os oito jogos que restam e ainda torcer por inúmeras combinações de resultados.

Quase impossível, mesmo se tratando de futebol e suas peculiaridades. Melhor se preocupar com a Sul-Americana. Para isso, não é preciso grande esforço, já que o Atlético já está na zona de classificação para essa competição. Mantendo o mesmo aproveitamento acumulado até aqui, o Rubro-Negro se garante. Com os 48 pontos na tabela, o Furacão precisa somar mais três vitórias e dois empates para chegar entre os classificados a esse campeonato.

O clube da Baixada ainda tem o Paraná Clube (amanhã, às 16h), Palmeiras (dia 6, 18h10), São Caetano (dia 20, 16h) e Paysandu (dia 27, 16h) na Kyocera Arena e Vasco (dia 3, 20h30), Goiás (dia 12, 18h10), Cruzeiro (dia 17, 20h30) e São Paulo (dia 4 de dezembro, 16h) longe de Curitiba.

Receitas

Com a participação na Libertadores deste ano, o Atlético arrecadou cerca de R$ 2,5 milhões em bilheteria e mais R$ 3 milhões com premiação pela participação até as finais da competição. Os valores são brutos, mas dificilmente o clube conseguirá repetir esses números no primeiro semestre do ano que vem. Para compensar, o Rubro-Negro volta a disputar a Copa do Brasil após a ausência em dois anos seguidos. Em 2004, o time foi mal no Paranaense e não se classificou e, como esteve na Libertadores deste ano, foi impedido de entrar na Copa do Brasil.

Chuva atrasa volta do Rio

Não bastasse a derrota para o Fluminense, em Volta Redonda, o Atlético ainda teve que enfrentar vários contratempos para chegar a Curitiba. Devido ao mau tempo, o Afonso Pena estava fechado, os vôos atrasaram e o pouso acabou acontecendo em Santa Catarina. Para piorar a situação, o técnico Evaristo de Macedo poderá ter até três desfalques na equipe para a partida contra o Paraná Clube, programada para as 16h de amanhã, na Kyocera Arena.

Após a partida no interior do Rio de Janeiro, a delegação rumou para a capital, mas a saída acabou atrasando devido ao mal tempo no Paraná. Mesmo decolando, a aeronave não conseguiu pousar em São José dos Pinhais e acabou indo até Florianópolis. A programação de ontem foi cancelada e jogadores e comissão técnica tiveram que viajar 300 quilômetros de ônibus até Curitiba.

No time, além do atacante Aloísio e do volante Alan Bahia, suspensos pelo terceiro cartão amarelo, o lateral-direito Jancarlos torceu o tornozelo direito na partida contra o Fluminense e também preocupa. Em compensação, o atacante Dagoberto deverá voltar ao Rubro-Negro, no lugar de Aloísio. No meio, André Conceição deverá ganhar nova oportunidade assim como Ticão na lateral-direita. Hoje, Evaristo comanda o treino apronto para pegar o Tricolor, às 9h, no CT do Caju.