Retorno de Riva é uma das pistas
de que Geninho está com quase
tudo acertado pra voltar.

"Ah que bom seria, se você voltasse um dia!" A frase da torcida do Atlético em homenagem ao técnico Geninho está cada vez mais próxima de ser concretizada. A diretoria não confirma os contatos, mas o treinador campeão em 2001 é o nome mais cotado para assumir o rubro-negro a partir de julho. Depois da crise e da dificuldade em contratar um profissional no mercado interno, a solução é repatriar aquele que deixou saudades nas arquibancadas e que tem qualidades reconhecidas. O acerto entre as partes deverá ser de três anos.

"Assim que houver a conciliação das possibilidades daqueles que estão fora do País ou aqueles que estão empregados em outros clubes e haja compatibilidade de interesse deles com os nossos, nesse momento, nós o contrataremos", indicou João Augusto Fleury da Rocha, presidente do Furacão. Segundo ele, não existe prazo para esta contratação, o que deixa o nome de Eugênio Machado Souto no caminho da Baixada. "Existe o interesse de muitos treinadores em trabalhar no Atlético e existe o interesse do clube em muitos treinadores, mas a questão toda é conciliar esses interesses", despista.

Apesar de sair pela tangente, já existe até data para Geninho assumir o comando do clube: julho. Ele só não vem antes porque precisa cumprir o contrato com o Al-Ahli. O treinador ainda está na Copa da Ásia e na Copa Árabe e seu acerto vai até o final do mês que vem. "Já fui procurado por alguns clubes, mas tenho um compromisso até 30 de junho e não volto para o Brasil antes disso", disse ao portal Furacão.com. Realmente outras equipes já fizeram propostas, mas a mais cativante foi a do rubro-negro. A pista que o acerto já está concretizado é a volta do preparador físico Riva Carli, que assume na segunda-feira.

O time

Enquanto isso, o interino Borba Filho segue no comando. "Nós estamos aí o tempo que for necessário. Eu sou Atlético, estou Atlético e vamos continuar prestando a nossa colaboração seja em que área for. Enquanto for chamado a intervir nesta área, que muito me honra, eu procurarei fazer da melhor maneira possível", promete. Assim, hoje ele comanda o último treinamento antes da partida de amanhã contra o Internacional. A única alteração na equipe deverá ser a entrada de André Rocha no lugar de Jancarlos.

Maciel está na ?frigideira?

Se depender do técnico Borba Filho, o atacante Maciel já está fora dos planos do Atlético para a seqüência da temporada. O treinador não gostou do ?corpo mole? feito pelo jogador antes da partida contra o Cerro Porteño e encaminhou o problema para a diretoria. Sem ele, o treinador comanda hoje o último treinamento da equipe antes da partida de amanhã contra o Internacional. A partida contra os gaúchos está programada para as 18h10, na Kyocera Arena.

?Esse jogador constantemente vinha se apresentando com dores, sem que nada fosse constatado. Como dor é um negócio subjetivo, a gente não pode discutir. Na última concentração, ele chamou um dos médicos e disse que não poderia ir para o jogo porque não poderia se comprometer?, diz o treinador. O problema seria que outros jogadores se dispuseram a jogar ?no sacrifício? e Maciel não quis.

?Para mim, fica a impressão anterior. O Aloísio estava com a canela rachada, pôs uma proteção e foi pro pau contra o Corinthians. Não que eu seja durão, eu apenas procuro ser justo com aqueles que querem trabalhar?, justifica. Agora, a bomba está na mão da diretoria. ?Se continuar com esse comportamento, a meu ver inadequado, é um jogador que não soma nada num momento em que o Atlético precisa de esforço de todo mundo?, aponta.

Até aqui, Maciel atuou em quatro partidas pela Copa Libertadores, cinco pelo Campeonato Paranaense e três pelo Brasileiro. Foram apenas três gols marcados. O contrato dele com o Rubro-Negro vai até o dia 30 de junho, o clube da Baixada tem preferência de compra ou reempréstimo, mas seu destino deverá ser a volta para o Porto/POR, dono de seus direitos federativos.

Já para a partida de amanhã, Borba deverá fazer somente uma alteração na equipe. A tendência é que o lateral-direito André Rocha ganhe a vaga de Jancarlos e comece jogando. O restante do time seria o mesmo que ganhou do Cerro Porteño, na quinta-feira. A provável formação atleticana deverá ter Diego; André Rocha, Baloy, Marcão e Marín; Cocito, Alan Bahia, Fabrício e Rodrigo Almeida; Lima e Cléo.

Entrevista

Washington continua de bem com as redes. Enquanto o Atlético pena para definir seus atacantes, o Coração Valente segue exercendo sua maior vocação no Tokyo Verdy, do Japão. O artilheiro do Brasileirão de 2004 marcou 9 dos 17 gols de sua equipe na J-League, o Campeonato Nacional do país.

Por e-mail, o ex-craque atleticano revelou ao Paraná-Online que adaptou-se muito bem no Oriente, disse que ainda pensa em seleção e deixou no ar a perspectiva de voltar ao Rubro-Negro.

Paraná-Online: Houve boatos em Curitiba sobre seu possível retorno ao Atlético. Há algo de verdade nisso? Existiu negociação?
Washington: Fiquei sabendo por notícias, mas não teve nada, nenhuma conversa. Acho um pouco difícil sair daqui agora.

Paraná-Online: Como é sua vida no Japão? Muitos jogadores brasileiros desistem devido ao choque cultural…
Washington: Pra mim está sendo ótimo, estou muito bem adaptado, eles me tratam superbem e me deixam à vontade. Por isso a minha adaptação foi fácil.

Paraná-Online: Você já virou artilheiro no Japão. É mais fácil fazer gols por aí?
Washington: Estou sendo artilheiro da J-League, graças a Deus estou mantendo a média. No momento tenho 11 gols em 14 jogos (total, somando outras competições). Mas não é mais fácil, de jeito nenhum! Aqui os japoneses correm muito, estou sempre marcado por dois ou até mais jogadores!

Paraná-Online: Quais as diferenças entre a torcida japonesa e a brasileira? Sente saudades da Arena lotada?
Washington: Aqui a torcida é muito educada, até batem palmas pro adversário, faz parte da cultura deles. É aí que vem minha saudade da torcida atleticana, sinto muita falta. Eu me identifiquei demais com eles, tive momentos no Atlético que nunca mais irei esquecer!!!

Paraná-Online: Você acompanha o Atlético? Como sentiu estes dois momentos: o título estadual e a atual má fase no Brasileiro?
Washington: Vejo todas as notícias do Atlético! Fiquei muito feliz com o título paranaense, e estou chateado pelo mau começo no Brasileiro. Mas sei que o Atlético é muito forte e tenho certeza de que irão superar isso e voltar a vencer!

Paraná-Online: Você sabia que, com a má fase dos atuais atacantes, a torcida atleticana tem gritado seu nome? Isso o orgulha ou deixa preocupado?
Washington: Não vou mentir, fiquei emocionado quando soube. Mas é claro que é ruim para os que estão jogando porque isso faz com que eles percam a confiança. Em um momento como esses, eles precisam de apoio!

Paraná-Online: Durante o último Brasileiro, Parreira cogitou convocá-lo para a seleção. Agora não se fala mais nisso. Ainda tem esperanças, mesmo jogando num mercado pouco divulgado no Brasil?
Washington: Acho que facilitei a vida do Parreira vindo pra cá. Realmente saí da mídia, mas mantenho a esperança, até porque continuo vivendo uma grande fase!

Paraná-Online: Quanto tempo pretende ficar no Japão? O retorno ao Atlético está nos seus planos?
Washington: Vamos esperar o restante do ano. Se houver propostas irei estudar, até porque estou muito bem aqui. Mas, como disse, vivi um dos melhores momentos da minha vida no Atlético, e quem sabe terei o orgulho de vestir novamente a camisa do Furacão!