O Athletico conquistou sua primeira vitória na Libertadores da América de 2019. Com autoridade e com uma grande atuação, o Furacão não tocou conhecimento do Jorge Wilstermann, goleou o time boliviano por 4×0, na noite desta quinta-feira (14), na Arena da Baixada, e somou seus primeiros três pontos na competição internacional. Agora na segunda posição do grupo H e mais aliviado, o time atleticano terá pela frente o Boca Juniors, no dia 2 de abril, de novo no Joaquim Américo.

+ Tempo Real: Confira como foi o jogo no nosso Lance a Lance

Com o primeiro dos três jogos seguidos pela frente dentro de casa, o Athletico foi dono do jogo. O Furacão, desde os primeiros minutos, encurralou o Jorge Wilstermann no seu campo e passou a criar uma chance atrás da outra. Com o time boliviano fechado, o Rubro-Negro criou boas chances em chutes de fora da área, mas encontrou o goleiro Giménez em boa performance.

O Athletico, na verdade, conseguia chegar com perigo pelos lados do campo, especialmente com Renan Lodi pela esquerda. Aos 15, o lateral atleticano recebeu de Nikão e, livre, chutou para grande defesa Giménez. A pressão do Furacão seguiu forte. Era, na verdade, um bombardeio para cima dos bolivianos. O time atleticano tinha repertório para atacar de todas as formas.

O Jorge Wilstermann, que tentava retardar o reinício do jogo quando tinha a posse de bola, aguentou até aonde deu. Aos 31 minutos, enfim, o Athletico tirou o zero do placar. Em outra boa jogada pela esquerda, Rony chutou, a bola desviou em Marco Rubén, enganou Giménez e entrou no canto.

Bruno Guimarães reclamou que sofreu pênalti. Foto: Albari Rosa
Bruno Guimarães reclamou que sofreu pênalti. Foto: Albari Rosa

O gol deu mais tranquilidade ao Athletico e mudou totalmente a dinâmica do jogo. O Jorge Wilstermann, que até então só se defendia, passou a sair mais. A história da partida poderia ter sido outra aos 35 minutos. Serginho acertou a trave e o rebote deu o contra-ataque para o time rubro-negro. Tomás Andrade partiu do campo de defesa sem marcação, avançou e, de fora da área, chutou fraco e contou com a ajuda do goleiro para ampliar a vantagem ainda no primeiro tempo.

Apesar da boa vantagem, o Athletico voltou do intervalo disposto a garantir de vez os três pontos. O time rubro-negro seguiu pressionando e criando boas chances para dilatar o marcador. Se não fosse o goleiro Giménez, aos 2 minutos, Rony poderia ter marcado. Mas dois minutos mais tarde não teve jeito. Camacho acho Renan Lodi livre na área. O lateral, com tranquilidade, bateu sem chances para o goleiro boliviano, fez o terceiro e corou sua grande noite na Arena da Baixada.

Com o placar praticamente definido, o Athletico pisou um pouco no freio. O técnico Tiago Nunes, já pensando na sequência da Libertadores, poupou o lateral Jonathan e tirou o atacante Rony para a entrada de Marcelo Cirino. O centroavante entrou também para explorar melhor os contra-ataques e os espaços deixados pelos bolivianos.

O time boliviano, com visíveis dificuldades técnicas, até ameaçou o Athletico em alguns momentos, mas sem efetividade alguma capaz de comprometer a vitória do Furacão. A equipe atleticana, que passou a sair para o ataque só na boa, seguiu criando as melhores chances. As jogadas de perigo seguiram sendo criadas nas investidas de Renan Lodi. O lateral, aos 28 minutos, cruzou na medida para Tomás Andrade, mas o meia argentino errou o alvo.

Nos minutos finais, o Jorge Wilstermann foi para o tudo ou nada. Melhor distribuído em campo, o time boliviano passou a rondar mais a área do Athletico que, por sua vez, tinha mais espaços para tentar ampliar a vantagem. Ainda no final, deu tempo para o Furacão perder duas boas chances com Nikão e de Bruno Guimarães resolver a parada aos 42 minutos. Uma vitória que coloca o Furacão na briga da Libertadores.

Ficha técnica

LIBERTADORES
Grupo H – 2ª Rodada

Athletico 4×0 Jorge Wilstermann

Athletico
Santos; Jonathan (Wellington), Thiago Heleno, Léo Pereira e Renan Lodi; Camacho, Bruno Guimarães e Tomás Andrade; Rony (Marcelo Cirino), Nikão e Marco Rubén (Braian Romero).
Técnico: Tiago Nunes

Jorge Wilstermann
Arnaldo Giménez; Alejandro Meleán, Alex Silva, Zenteno e Aponte; Ariel Núñez (Carlos Melgar), Fernando Saucedo (Villaroel), Jorge Ortíz, Serginho e Pochi Chávez; Lucas Gaúcho (Álvarez).
Técnico: Miguel Ángel Portugal

Local: Arena da Baixada
Árbitro: Carlos Orbe (EQU)
Assistentes: Christian Lescano (EQU) e Ricardo Baren (EQU)
Gols: Marco Rubén 31 e Tomás Andrade 35 do 1º; Renan Lodi, 4 e Bruno Guimarães 42 do 2º
Cartões amarelos: Rony (CAP); Serginho, Aponte, Alex Silva, Meleán, Pochi Chávez (JOR)
Renda: R$ 270.035,00
Público pagante: 16.331
Público total: 17.323

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do Trio de Ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!