Publicidade

Curitiba

Mãe que vale ouro! Filho de empregada vira doutor em engenharia pela UFPR

Alex Silveira
Escrito por Alex Silveira

Foi pelas redes sociais da Universidade Federal do Paraná (UFPR) que o engenheiro florestal Giuliano Ferreira Pereira, de 29 anos, comemorou a aprovação da tese de doutorado, defendida no dia 5 de junho, em plena pandemia de coronavírus. Nem ele acreditou que terminaria os estudos sem atrasos.

Na postagem, replicada no Instagram da instituição, ele apenas lamentou a ausência da mãe, que não pode participar da conquista por causa dos protocolos de prevenção do coronavírus que exige distanciamento social. Giuliano Ferreira é filho da empregada doméstica Maria de Fátima Ferreira, 62 anos, que fez de tudo tudo para que o filho tivesse o que ela não teve: oportunidades na vida.

+Caçadores! Estudantes de Curitiba ganham prêmio da Nasa com troca de lixo por água

O agora doutor e futuro professor universitário (se os planos dele derem certo), Giuliano veio morar em Curitiba em 2016, com 25 anos, depois de ser aprovado na entrevista do doutorado. Ele é natural da cidade de Curitibanos, no interior de Santa Catarina, e, desde a infância, sempre estudou em escola pública. A mãe Maria de Fátima começou a trabalhar como doméstica na adolescência, depois de ficar órfã e ser acolhida por uma irmã. Até hoje, ela ainda trabalha para a mesma família. “Eles sempre me deram muito incentivo para que o Giuliano estudasse”, conta.

Giuliano e a mãe, Maria de Fátima, na comemoração do título de doutor pela UFPR. Foto: Arquivo Pessoal.

Maria de Fátima cursou até o 3.º ano do agora Ensino Fundamental. Mesmo acompanhando a trajetória do filho na faculdade e mestrado, ainda não compreende muito bem o que significa o título de doutor que está incorporado no currículo do filho. Mas orgulho é o que não falta.

“Me senti bem feliz da vida. A história do filho da empregada [suspira]. Espero que ele continue sendo um bom rapaz. O Giuliano nunca incomodou, sempre foi muito querido”, emociona-se a mãe.

Como boa parte das crianças menos favorecidas, Giuliano frequentou creches, por vezes ia com a mãe para a casa da patroa, mas, segundo ele, não havia preconceito. “Minha mãe trabalhava o dia todo, se esforçava para cuidar de mim, do meu irmão e da minha irmã que são mais velhos. Eu era incentivado”, conta ele.

+Caçadores! Portal ajuda crianças com doenças raras e cria clube de benefícios para quem colabora

O irmão faleceu há três anos de doença renal. A irmã segue aplaudindo as conquistas de Giuliano e também tem curso superior. “Minha mãe nunca casou. Meu pai não foi presente, mas ele ajudou e ajuda quando pode. Tinha tudo para ser mais uma história triste, mas eu abri o espaço para a família. Minha irmã e minha prima também se formaram depois de mim”, ressalta.

Giuliano começou o curso de Ciências Rurais da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com 19 anos, em Curitibanos, quando a universidade instalou um câmpus na cidade, em 2009. “Eu pensava em Matemática. Queria ser professor. Cheguei a fazer vestibular na única faculdade particular que tinha aqui, mas a turma não abriu”, contou.

Familiares e os patrões da mãe sugeriram a UFSC em Florianópolis, mas Giuliano não tinha condições de se sustentar na capital catarinense. “Eu pensei que teria que esperar mais um ano para tentar entrar numa faculdade. Nesse meio tempo, a UFSC se instalou aqui, com Ciências Rurais. Eu resolvi tentar”, lembrou.

+Caçadores! Homem na faxina: “diaristo” de Curitiba rompe preconceito na limpeza de casas

Do início com Ciências Rurais veio a opção da universidade para direcionar a linha de formação para Engenharia Florestal. Giuliano se graduou nos dois cursos. Ciências Rurais, em 2013, e Florestal, em 2014, até que, neste mesmo ano, se engatou no programa de pós-graduação em Engenharia Florestal da Universidade do Estado de Santa Catarina (Udesc). Aos 24 anos, ele se mudou para Lages (SC) e lá fez a primeira fase do mestrado. Depois, voltou para Curitibanos para finalizar a dissertação, defendida em 2016, ano em que também entrou no doutorado da UFPR.

Sonho realizado

O material estudado por Giuliano é o OSB (do inglês Oriented Strand Board), que são painéis de tiras de madeira orientadas bastante versáteis e com boa resistência físico-mecânica. Foto: Arquivo Pessoal.

A linha de pesquisa de Giuliano no doutorado trata do potencial da madeira de Eucalyptus badjensis para a produção de painéis de madeira aglomerada. Durante o doutorado, concluído este ano, o tema se aprofundou para entender os efeitos de diferentes composições de camadas, tipos de partículas e da modificação térmica em painéis mistos Aglo/OSB.

O material estudado por Giuliano é o OSB (do inglês Oriented Strand Board), que são painéis de tiras de madeira orientadas bastante versáteis e com boa resistência físico-mecânica. “Meu orientador do doutorado é uma referência no assunto. Eu tinha o sonho de estudar com ele. Pesquisei o que pude sobre os artigos deles, para ver se ele me aceitava. Nem sei como ele me aceitou”, comemorou.

View this post on Instagram

"O FILHO DA EMPREGADA VIROU DOUTOR Ontem (05/06) defendi minha Tese de Doutorado, infelizmente por causa das medidas de combate à Covid-19, minha mãe não pode estar presente, mas não posso deixar de agradecer publicamente essa pessoa que, mesmo sem ter oportunidades de estudos, fez de tudo para que eu pudesse ter o que ela não teve. Seu esforço foi fundamental para a realização dos meus estudos, além disso, ela me proporcionou aquela educação fundamental para todo ser humano, a educação que vem de berço, me ensinando, com seus atos e palavras, como me tornar uma pessoa melhor. Além de ser filho da empregada, sou filho da Universidade pública, realizei minha graduação (UFSC), mestrado (UDESC) e agora doutorado (UFPR), em instituições públicas de ensino. Sou imensamente grato pela excelente formação que essas instituições me proporcionaram. A educação pública transformou minha vida e de diversas outras pessoas que não teriam oportunidade de realizar seus estudos de outros modos. Na Universidade pública conheci muitas pessoas que, mesmo com todas as dificuldades, fazem o seu melhor para que esse ensino de qualidade seja levado às pessoas. Agradeço todas essas pessoas de diversas áreas (Professores, Profissionais de limpeza, Serviços Gerais, Secretaria, Cozinheiros, Assistentes Sociais …) que dedicam suas vidas para que o conhecimento seja transmitido na Universidade. Sou muito grato a Deus por ter colocado no meu caminho pessoas fantásticas, como vocês. Deixo meu agradecimento especial aos meus orientadores . Dizem que “Cada pessoa que passa pela nossa vida deixa um pouco de si”, vocês não deixaram somente “um pouco”, levo muitos ensinamentos de vocês, tanto para minha vida acadêmica, quanto pessoal. A dedicação de vocês com a educação pública e a ciência foi uma das minhas principais inspirações para escolher e persistir nessa área. Para finalizar, queria dizer que nesses tempos difíceis em que vivemos, a educação é ainda mais importante. Se quisermos um mundo melhor, esse caminho com certeza passa pela educação. "Educação não transforma o mundo. Educação muda pessoas. E pessoas transformam o mundo." – Doutor em Engenharia Florestal, Giuliano Ferreira.

A post shared by Universidade Federal do Paraná (@ufpr_oficial) on

Na postagem que foi replicada nas redes sociais da UFPR, Giuliano orgulha-se de ser filho da empregada doméstica Maria de Fátima e da universidade pública. “Além de ser filho da empregada, sou filho da Universidade pública, realizei minha graduação (UFSC), mestrado (UDESC) e agora doutorado (UFPR), em instituições públicas de ensino. […] A educação pública transformou minha vida e de diversas outras pessoas que não teriam oportunidade de realizar seus estudos de outros modos”, escreveu.

+Viu essa? Professor de Curitiba inova nas aulas on-line e se fantasia pra motivar universitários na pandemia

O aluno batalhador e humilde ainda agradece seus orientadores. “A dedicação de vocês com a educação pública e a ciência foi uma das minhas principais inspirações para escolher e persistir nessa área. […] Nesses tempos difíceis em que vivemos, a educação é ainda mais importante”, destaca o filho da empregada que agora busca uma oportunidade como professor. “Será a realização de um sonho”, conclui.


Precisamos do seu apoio neste momento!

Este conteúdo te ajudou? Curtiu a forma que está apresentado? Bem, se você chegou até aqui acredito que ficou bacana, né?

Neste cenário de pandemia, nós da Tribuna intensificamos ainda mais a produção de conteúdo para garantir que você receba informações úteis e reportagens positivas, que tragam um pouco de luz em meio à crise. Bora ajudar?

Ao contribuir com a Tribuna, você ajuda a transformar vidas, como estas

– Pai vende vende 1000 bilhetes de rifa com a ajuda da Tribuna pra salvar o filho
– Leitores da Tribuna fazem doação de “estoque” de fraldas para quíntuplos
– Leitores se unem para ajudar catadora de papel de 72 anos

E tem várias outras aqui!

Se você já está convencido do valor de sua ajuda, clique no botão abaixo


Sobre o autor

Alex Silveira

Alex Silveira

(41) 9683-9504