enkontra.com
Fechar busca

Publicidade

Bacacheri

Atletas encaram vendas em sinaleiro pra custear campeonato na Europa!

FOTO: Felipe Rosa / Tribuna do Parana - AGP
Maria Luiza Piccoli

É manhã de sexta-feira. No trânsito da hora do almoço, a garoa fina salpica gotinhas nos para-brisas dos carros parados no cruzamento das ruas Estados Unidos e Erasto Gaertner, no Bacacheri. Em meio ao asfalto, debaixo do céu cinzento, quatro piás vestidos de quimono não se deixam abalar pelas carrancas do tempo e nem dos motoristas. Ao circularem entre os veículos, o tilintar das medalhas que levam no pescoço se misturam ao riso alegre dos rapazes que, nos breves segundos antes de abrir o sinaleiro fazem seu apelo aos condutores. A ideia de vender balinhas de goma no semáforo surgiu em prol de um sonho comum: disputar dois importantes campeonatos de jiu-jitsu que acontecem no ano que vem, fora do Brasil.

+Leia mais! Animal de estimação ‘diferentão’ chama atenção em Curitiba! Conheça a ‘Jéssica’!

O valor das viagens é alto: R$15 mil no total. Para os mais céticos, o feito pode até soar impossível, mas aos poucos, os atletas conseguem juntar o dinheiro. Com positividade e paciência, o grupo deixa os tatames da academia Gracie Barra, no bairro Cabral (onde treinam juntos), para dedicarem algumas horas à venda dos docinhos diariamente e, pouco a pouco, a ideia que nasceu num bate-papo pós treino, tem aproximado os esportistas do sonho da disputa. Arrecadando em torno de R$ 60 reais por dia, os meninos esbanjam força de vontade e garantem, não pretendem desistir até chegarem lá.

Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Parana - AGP

Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Parana – AGP

“A gente só faz isso porque ama muito o jiu jitsu”, afirma Rafael Nascimento, 20. Colecionador de títulos em nível regional e nacional, o jovem já tinha implementado a ideia de vender guloseimas para custear viagens em prol do esporte há alguns anos. “Deu certo aquela vez, então sugeri de tentarmos de novo para o ano que vem. Com apoio do nosso treinador e do pessoal da academia botamos o plano em prática”, revela.

+Viu essa? Prefeitura desmonta casa de vila chamada de Haiti por Luciano Huck

Vendendo cada pacotinho de balas a R$ 1, os rapazes dão um jeito de conciliar os treinos e a preparação para os campeonatos, que acontecem nos Estados Unidos e Europa, a partir de maio do ano que vem. “Estamos tão focados que as cinco horas de treino passam voando e quando chega o momento de ir pra rua não importa se está frio, calor ou chovendo. A gente vai de qualquer jeito”, afirma Felipe Negochadle, 21, que conquistou nada menos que 50 medalhas em apenas 2 anos e meio de competição. Além do preparo na academia, o cuidado com a alimentação também é redobrado. “É ovo que não acaba mais”, brinca o atleta que disputa a categoria peso pluma.

Garra de sobra

Orgulhoso dos alunos, o professor Rodrigo Fajardo, 32, aplaude a iniciativa. “Eles não se deixam desanimar pela falta de patrocínio e estão dando tudo de si em busca desse sonho. Querendo ou não, parte dessa força de vontade vem do próprio esporte, que exige do atleta disciplina, paciência e perseverança”, afirma.

FOTO: Felipe Rosa / Tribuna do Parana - AGP

FOTO: Felipe Rosa / Tribuna do Parana – AGP

É com esse pensamento que André Marcelo Valle, 23 e Heitor Grein Saciotti, 20, se juntaram aos parceiros de tatame no sinaleiro. “Dizem que quando a gente quer muito uma coisa, imaginar que já conseguiu ajuda muito. É nesse espírito que a gente vai pra rua”, afirma André. O rapaz explica que a receptividade junto aos motoristas geralmente é boa e que além de comprarem os doces para ajudar também fazem doações espontâneas ao grupo. “Tem gente que nem chega a comprar as balas. Só dá uns troquinhos e deseja sorte. Outros motoristas dão mais do que pedimos”, conta.

+Leia também! “Quem faz é Deus, eu só rezo”, diz benzedeira tradicional de Curitiba

Amparados pela generosidade do público, os meninos põem em prática um dos principais ensinamentos do grão mestre Carlos Gracie, pioneiro da família Gracie, responsável pela introdução do jiu-jitsu no Brasil, e pai de Carlos Gracie Júnior, fundador da instituição que representam, considerada uma das mais importantes do mundo no segmento: “Mantenha sempre o semblante alegre e tenha sempre um sorriso para todos que a ti se dirijam”. Mesmo com pouca idade, o quarteto já aprendeu esta lição e, por meio do esporte, sabe muito bem que para alcançar qualquer objetivo é preciso garra e muito esforço. “A gente vai conseguir e quando chegarmos lá, vamos vencer daqueles gringos”, brinca Heitor Saciotti. A cada real a mais na “caixinha”, uma só expressão define o sentimento no coração dos lutadores: “Oss”*.

+Viu essa? Curitibanos buscam apoio para disputar campeonato de jiu jitsu

Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Parana - AGP

Foto: Felipe Rosa / Tribuna do Parana – AGP

Leia mais sobre o mundo das artes marciais na coluna Direto do Octógono!

Dê uma mãozinha aos meninos da Gracie:

Dados bancários

*Nome: Heitor Grein Saciotti
CPF: 111.224.069-16
Banco: Bradesco
C/C: 1001110-8
Agência: 11975

*Nome: Felipe Negochadle
CPF: 084.625.5995-2
Banco: Itaú
C/C: 15714-1
Agência: 370

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Animal de estimação ‘diferentão’ chama a atenção em Curitiba! Conheça!

Sobre o autor

Maria Luiza Piccoli

Maria Luiza Piccoli

Deixe um comentário

avatar

1 Comentário em "Atletas encaram vendas em sinaleiro pra custear campeonato na Europa!"


Cláudio
Cláudio
10 meses 1 dia atrás

Enquanto isso, quem é bandido gera renda para seus familiares.
Mas quem conhece um crime e não denuncia, não pode ser enquadrado como cúmplice?
Esse é o Brasil que eu não quero.
A luta desses honestos não é só no tatame.

wpDiscuz
(41) 9683-9504