enkontra.com
Fechar busca

Publicidade

Curitiba

“Quem faz é Deus, eu só rezo”, diz uma das benzedeiras mais tradicionais de Curitiba!

Foto: Gerson Klaina/Tribuna do Paraná
Maria Luiza Piccoli

O quartinho é pequeno, não chega a 1m². Sem janelas, só há espaço para duas pessoas. Na parede esquerda, gravuras e quadrinhos coloridos. Na direita, prateleiras pelas quais os olhos de Nossa Senhora Aparecida, São Sebastião e Nossa Senhora de Fátima assistem, plácidos, o trabalho de Roseli Leocadia Rocha, 72, ou “Tia Rose”, como é mais conhecida. Pela boca da vovozinha, a intercessão junto aos santos parece funcionar. É cura pra asma, “peito aberto”, minguá, “rasgadura” e até verme. Precisou? É só chegar. Quem já foi garante: o negócio funciona. Sem cobrar nada pelo “serviço”, a idosa faz parte de um grupo seleto, que pelo imaginário popular quase chega a ser mágico: as “benzedeiras de Curitiba” que, de geração em geração, promovem cura e alívio de doenças mediante uma só virtude: a fé.

Confira abaixo o contato das benzedeiras de Curitiba.

O assunto é curioso. Tanto que já até foi tema de pesquisa acadêmica. Intitulado “As Benzedeiras Tradicionais de Curitiba: identificação e análises”, o trabalho realizado pelo historiador, Victor Augustus Graciotto Silva, da Universidade Federal do Paraná (UFPR) levantou que, em 2009, 87 benzedeiras atuavam na capital paranaense. Para mais ou para menos, hoje elas continuam espalhadas por diversos pontos da cidade e, segundo a pesquisa, não são difíceis de identificar. Segundo Augustus, a típica benzedeira curitibana tem mais de 70 anos, vive numa casinha simples e é devota. Muito devota. Aliás, o trabalho de cura nunca está dissociado da fé e, se não há mediação dos santos, nada feito.

+Leia mais! Investidores de criptomoeda desconfiam de golpe em Curitiba!

Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná.

Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná.

Pelo menos é assim que “Tia Rose” explicou à reportagem como funciona o ofício que realiza há 18 anos em sua casa, localizada no bairro Água Verde, em Curitiba. Sem saber ao certo quantas pessoas atende por dia, a idosa não cobra pelas rezas e afirma que seu papel é simplesmente interceder em favor de quem precisa. “Eu não curo ninguém. Quem faz é Deus. Eu só rezo pela pessoa e peço que Jesus e Nossa Senhora façam o serviço”, conta.

Segundo Tia Rose, a distensão muscular, ou “rasgadura” é o problema que mais leva “clientes” à sua porta. “Para curar é simples”, explica enquanto costura um trapinho de malha, elemento essencial da terapia. Ao aplicar os pontos no tecido, os versinhos vêm automaticamente: “carne rendida, ossos quebrados, nervo exposto, extorsão de osso. Nas mãos de nosso mestre Jesus e de nossa mãe Maria Santíssima, que nossa mãe venha trazer a cura e a bênção” (sic). Repetida três vezes, a reza promete curar até jogador de futebol profissional.

Mas afinal, qual a origem dos “superpoderes”? Como explica Rose, a resposta está no que chama de “missão divina”, passada de geração em geração. “Minha sogra era benzedeira e ‘passou’ o ofício para mim. No começo eu não sabia se conseguiria mas tive um sonho no qual Deus confirmou que era mesmo minha missão”, revela.

Sem diploma nem formação acadêmica, a benzedeira é especialista em identificar as mazelas do corpo e da alma cuja cura, segundo explica, só pode ser viabilizada pelos santos. “Pessoa chega aqui e não precisa falar muito. Eu sei pelo que tenho que pedir porque sinto no meu coração”, conta. Para a vovozinha, a maior gratificação pelo trabalho não está no reconhecimento e muito menos no retorno financeiro, que não acontece, mas em saber o efeito que suas palavras surtem na cura das pessoas. “É maravilhoso saber que estou ajudando tantas pessoas a alcançarem o alívio das dores e a proteção do mal”, diz.

+Viu essa? Curitibanos criam micro-usina capaz de gerar energia elétrica em casa!

Enquanto nos despedíamos de Tia Rose, um de seus “pacientes” entrou porta adentro para a bênção de rotina. Para a reportagem, ele preferiu dizer apenas seu primeiro nome: Fernando. “Venho semanalmente para me benzer”, revelou. De acordo com o representante comercial a proteção da bênção faz toda a diferença no dia a dia. “Não pode dar bobeira. A gente é vítima de muito mau olhado, inveja. Essas coisas nos fazem muito mal sem que a gente perceba, por isso venho aqui quando não me sinto bem. As benzedeiras curam o que muito médico por aí não consegue resolver”, diz.

De geração em geração

Foi com as mesmas palavras que a também benzedeira, Maria Nely Borges, 80, respondeu à Tribuna quando a perguntamos sobre a importância do seu trabalho. “Nem sempre a ciência tem a solução pra tudo. Já ajudei a curar muita gente que não conseguiu nada com os médicos”, afirma a idosa, que atende no bairro Cajuru. Depois de anos de “profissão” e conhecimento de causa suficiente, ela acredita que um dos principais problemas da sociedade hoje é a má alimentação. “Antigamente não tinha tanto veneno na comida. Hoje as pessoas consomem praticamente tudo com agrotóxicos e isso está acabando com todo mundo”, pondera.

Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná

Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná

Entre as especialidades da rezadeira, a cura para a “doença de minguá” ou “doença do macaco” foi uma para as quais mais se dedicou. “Era mais comum antigamente. Os bebezinhos chegavam aqui magrinhos sem conseguir ganhar peso. Depois da bênção era só esperar e eles começavam a ficar mais gordinhos”, lembra. Grata pelo retorno de carinho que recebe dos pacientes, ela se orgulha em afirmar que seu trabalho é reconhecido pelo padre da paróquia que frequenta, também no bairro Cajuru. “Ele autoriza que eu benza como forma de ajudar as pessoas aqui da região. Não recebo nada em troca por isso, só quando alguém traz algum presente como agradecimento”, afirma apontando para uma máquina de costura sobre o móvel da sala.

Sobre a continuidade do ofício, as rezadeiras contam com a aptidão de filhos e netos para perpetuar o dom. No caso da Tia Rose, o encargo ficará com sua filha mais velha, Rosangela, que parece ter desenvolvido a mesma sensibilidade da mãe para identificar doenças. Já a vovó Nely lamenta não ter “para quem passar o dom”. “Minha única filha mulher já disse que não quer, então eu acho que o ciclo acaba em mim”, disse.

Mas afinal, cura mesmo?

A pergunta é polêmica. Afinal, o que explica o fato de tanta gente sair curada depois de se benzer? Mágica? Fé? Para o psicoterapeuta e coordenador da Comissão de Psicologia e Cultura do Conselho de Psicologia do Paraná (CRP/PR), Tônio Luna, a resposta está no próprio “paciente”. “Uma das maiores necessidades humanas é o pertencimento e a consciência de que existe alguém cuidando de nós. Nesse caso, só o fato da pessoa encontrar um indivíduo que o olha com atenção e cuidado numa situação de doença já ajuda a aliviar uma série de sintomas”, explica.

+Leia mais! Corpos mumificados, fetos, esqueletos. Você já conhece o Museu do IML?

Ainda segundo Luna, o poder simbólico atrelado às benzedeiras guarda direta relação com o potencial de cura oferecido. “Basta que a pessoa acredite que a benzedeira realmente pode ajudar que isso vai surtir efeitos no organismo, como melhor oxigenação do cérebro e aumento da imunidade”, diz. Outra resposta, ainda segundo o psicólogo, está na técnica utilizada por algumas benzedeiras, semelhante à hipnose. “A pessoa vai sair do estado de alerta e tirar o foco da dor. Isso traz efeitos fisiológicos imediatos”, pondera.

Por fim, o especialista recomenda aos adeptos cautela, principalmente quando os sintomas de algumas doenças ficam mais sérios. “Toda a forma de ajuda é válida mas é preciso ter o cuidado de saber quando é o momento de procurar um clínico para resolver o problema. Nada impede que se concilie o trabalho profissional com a das benzedeiras”, finaliza.

Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná

Foto: Felipe Rosa/Tribuna do Paraná

Milagreira do Povo

Considerada a benzedeira mais famosa de Curitiba, Maria Trevisan Tortato, ou “Maria Polenta”, vivia no bairro Água Verde onde, nas décadas de 30, 40 e 50, ganhou a fama de “curadora de ossos”. Italiana de família tradicional, Maria faleceu no 22 de abril de 1959, quando um cortejo de aproximadamente 5 quilômetros acompanhou o corpo até o cemitério do bairro, onde foi enterrada.

Devido à grande popularidade e ao trabalho social desenvolvido pela benzedeira ao longo dos anos, um busto foi erigido em homenagem a ela numa pracinha situada no cruzamento da Avenida República Argentina com a Presidente Getúlio Vargas, também no Água Verde.

Contato das benzedeiras!

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

“Quem faz é Deus, eu só rezo”, diz uma das benzedeiras mais tradicionais de Curitiba!

Sobre o autor

Maria Luiza Piccoli

Maria Luiza Piccoli

Deixe um comentário

avatar

12 Comentários em "“Quem faz é Deus, eu só rezo”, diz uma das benzedeiras mais tradicionais de Curitiba!"


Leonizia Aparecida Bastos
Leonizia Aparecida Bastos
7 horas 57 segundos atrás

Era o que eu estava precisando, uma benzedeira para eu ir, estava muito difícil de encontrar, ha 34 quatro anos atrás, quem curou meu filho foi uma benzedeira. Que Deus ilumine sempre essas benzedeiras, que fazem o bem a pessoas que acredita no poder de uma oração, feito com muita fé.Obrigado por postarem os endereços.

sheila fontoura
sheila fontoura
12 dias 4 horas atrás

Gostaria de saber como faço para encontrar o endereço no cajuru da Vó Nely,,alguém sabe?

George
George
11 dias 22 horas atrás

Sheila.. segue

Dona Nely – Rua Fortaleza, n° 818, Cajuru. Telefone – 3266-4756

gilberto luiz klisiewicz
gilberto luiz klisiewicz
12 dias 4 horas atrás

Gostaria de parabenizar a autora da materia e a iniciativa da Tribuna do Parana em resgatar este assunto. Falar bem de quem faz o bem sem olhar a quem é o que mais precisamos nos dias de hoje.

Mário
Mário
12 dias 5 horas atrás

Deveriam fazer uma matéria com as rezadeiras do município de Rebouças . Existe até uma associação municipal delas

Elaine Gomes Santana Gomes Santana
Elaine Gomes Santana Gomes Santana
12 dias 5 horas atrás

Como faço pra encontrar a Tia Rose do Agua Verde ? Alguem pode me ajudar ?

Ariane Garbin
Ariane Garbin
11 dias 23 horas atrás

Fica na Rua Dom Pedro I, quase esquina com a Rua Castro. Uma casa amarela, de portão branco, ao lado do Restaurante Kanavial
A D. Rose é um doce de pessoa <3

Elaine Gomes Santana Gomes Santana
Elaine Gomes Santana Gomes Santana
10 dias 5 horas atrás

Obrigada Ariane

George
George
11 dias 22 horas atrás

Obrigado Ariane, além de ajudar a Elaine também me ajudou pois estava a procura de uma benzedeira, infelizmente a minha faleceu há um tempo e fiquei sem referência.

Carlos Alberto
Carlos Alberto
12 dias 5 horas atrás

Uma reza, oração, prece, ou um pedido de axé nunca faz mal a ninguém, falta somente as pessoas deixarem sua ignorância de lado, e respeitarem a fé alheia. Lembre-que, que quando você começa a criticar a religião do próximo, você está deixando de praticar a sua.

Cláudio
Cláudio
12 dias 2 horas atrás

Foi pra mim esse comentário?
Se sim, foi desnecessário.
Se dizer não adepto, não significa ignorância da minha parte, nem falta de respeito a fé alheia.
E sim, pratico a minha fé. Independente de qual religião.
Apenas to fora.

Cláudio
Cláudio
12 dias 6 horas atrás

Tô fora.

wpDiscuz
(41) 9683-9504