Nesta sexta-feira, 4 de outubro, comemoramos o Dia Mundial dos Animais e de São Francisco de Assis, considerado o protetor dos bichos e da natureza. Amados e tratados como membros da família por muita gente, infelizmente, não são todos os pets que têm essa mesma sorte. Mas para defender os animais que sofrem agressões e maus-tratos de todas as espécies, além do santo, hoje há o trabalho de pessoas como o delegado Matheus Laiola da Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente (DPMA), da Polícia Civil, que junto com sua equipe salvou centenas de cachorros, gatos, aves e até cobras, além de prender e multar vários tutores irresponsáveis, em Curitiba e outras cidades do Paraná.

+Caçadores! Delegado vira ‘paladino’ pela causa animal e põe infratores na cadeia!

Entrevistado de hoje da Tribuna do Paraná, o delegado também explica o que configura o crime de maus-tratos contra os animais.  “Maus-tratos é você provocar com sofrimento físico ou psíquico ao animal. O sofrimento físico é você bater num animal, queimar o animal, você fazer (ele) ingerir veneno. O sofrimento psíquico é o estresse, deixar o cachorro numa guia curta ou em um espaço pequeno. Esses dois tipos de sofrimento caracterizam os maus-tratos”, esclarece Laiola.

+ Mania Animal: 10 mitos e verdades sobre pulgas e carrapatos

Deixar o animal sem comida, água, exposto ao tempo ou confinado ao longo dos dias caracteriza maus-tratos.
Foto: Pixabay.

Deixar um animal sem água, comida, vivendo em um local pequeno e sujo, apanhando, com dor ou passando por qualquer outro tipo de sofrimento, também é maus-tratos. Abandonar um pet está nesta lista e também pode render multa e punições ao tutor.

+ Leia mais: Cachorro maltratado em vídeo é resgatado e dono autuado na Grande Curitiba

Na coleira

Muitos dos cães presos em coleiras – às vezes durante a vida toda – sofrem maus-tratos. Foto: Pixabay.

Outra situação comum em muitas casas é manter o pobre animal preso a uma coleira, o que nem sempre pode ser considerado um crime. “Depende de cada caso. Às vezes a coleira é longa e acaba não gerando o estresse. Então, não dá pra generalizar e dizer que o cachorro que fica numa coleira acaba sofrendo maus-tratos. A maioria acaba sofrendo sim, mas a gente tem que analisar cada caso” alerta o delegado.

Denúncias

Quem se depara com um animal em sofrimento ou péssimas condições de vida – na rua, comércio ou em uma residência – pode denunciar a situação para a polícia. Esta denúncia, que pode ser feita de maneira anônima, é capaz de salvar a vida de muitos bichos.

+ Mania Animal:Sofrimento, abandono e exploração de cachorros em Curitiba

“O melhor mecanismo é o telefone 181, o Disque-Denúncias da SESP (Secretaria de Estado da Segurança Pública e Administração Penitenciária do Paraná). Ele é ágil, é de graça, é sigiloso e é anônimo. Você liga lá, não se identifica, passa tudo que tiver, incluindo vídeos e fotos. E aí tudo é cadastrado e eles encaminham para nós a ocorrência. A pessoa não precisa vir aqui fisicamente na delegacia, pode fazer a denúncia por telefone” orienta Laiola.

Centenas de cães, gatos e outros bichos foram resgatados em 2019, em Curitiba, pela DPMA. Foto: Pixabay.

Punição

No Brasil, quem pratica maus-tratos contra os animais, sejam eles de estimação ou silvestres, pode sofrer consequências, que vão desde a perda da guarda do animal, pagamento de pesadas multas e até a prisão do responsável.

+ Mania Animal: 10 dicas para tirar fotos incríveis do seu cachorro ou gato

“Hoje, quem maltrata animal pode pegar até um ano de prisão. Porém, este é um crime de menor potencial ofensivo. Então, esta pena na maioria da vezes é convertida em prestação de serviço à comunidade ou no pagamento de multa. Nós optamos por aplicar o maior rigor possível na prática de maus-tratos, multando a pessoa por isso”, diz Laiola, que ainda revelou que já aplicou multa de mais de R$ 40 mil a um tutor da Região Metropolitana de Curitiba.

Conscientização

Apesar do bom trabalho e resultados alcançados nos últimos meses no Paraná, o delegado revela que ainda há muito a ser feito pelos animais no Brasil. “Infelizmente a nossa lei é muito branda. Existem alguns projetos de Lei no Congresso Nacional visando deixar mais severa a punição. No caso de maus-tratos, quando o animal vem a falecer a pena é aumentada. Mas mesmo assim, a gente não consegue restringir a liberdade do infrator por muito tempo”.

+ Mania Animal: Cachorro gordinho? Conheça os perigos da obesidade animal

Ainda segundo Laiola, nossa legislação precisa avançar. “Juridicamente já temos decisões do STJ (Superior Tribunal de Justiça), no sentido de que animal não é coisa. Não é pessoa, mas tem vários direitos como se pessoa fosse, como em casos de guarda compartilhada. Cada vez mais o animal tem direitos e cada vez mais, merece a nossa proteção”, afirma.

Animais são seres sencientes e com direitos perante a lei. Foto: Pixabay.

Além de endurecer a punição, o policial acredita que iniciativas do poder público e da sociedade são fundamentais para a coibir cultura de maus-tratos contra os animais. “Campanhas de conscientização, assim como temos campanhas de trânsito, contra a embriaguez ao volante e violência contra a mulher. A gente tem que conscientizar mais a população, de que o animal tem cada vez mais direitos”, finaliza o delegado “protetor” do animais .

Adoção responsável

Foto: Divulgação

Valentina tem dois anos e já está castrada de vacinada. Dócil, ela gosta de ficar perto das pessoas e precisa de um lar seguro, com muros ou grades altas. Para adotá-la fale com a Ivete (41) 98863-1475 ou vá à Petland Champagnat, no próximo sábado (5), das 10h às 16h.

Escreva pra gente! Quer contar uma história, sugerir um tema ou publicar a foto de um animal disponível para adoção? Mande um e-mail pra animal@tribunadoparana.com.br