O escritor Jorge Luis Borges escreveu que “quando o fim se aproxima, já não restam imagens da recordação; só restam palavras”. Mas, ao transpor essa ficção para a realidade, o imortal argentino empresta lições da vida: “Não há nada mais forte do que uma imagem para recordar”.

Era o último Atletiba da final de 1972. O Coritiba havia ganhado a primeira parte, gol de Krüger. O Furacão, um timaço, jogava por uma vitória simples. Por já estar esgotado o tempo da prorrogação, era última bola do jogo, não haveria outra.

Então, Nilson Borges cobrou o escanteio, jogando a bola na área dos coxas. Se me lembro bem, foi Alfredo Gottardi que chutou da entrada da área, e o lateral Nilo tirou a bola da risca do gol. Essa bola de rebote caiu com Sérgio Lopes, que bateu para o gol.

E aí aconteceu: o goleiro Jairo, que às vezes, se vestia de santo e fazia milagres, desta vez desviou a bola com os olhos jogando-a poste superior. E, então, ele me olhou, e vendo lágrimas abriu um sorriso, e fez um gesto querendo me consolar. Parece que quis dizer: “Não deu!” Não sabe que até hoje eu choro aquele título perdido.

Jairo, não vou negar, me fez sofrer atrás do gol em Atletibas.

É essa a imagem que eu guardo dele como recordação. Nela, estão resumidas todas as suas virtudes: a do goleiro tecnicamente extraordinário, o profissional exemplar, e o ser humano que parecia carregar toda a dignidade do mundo, que com um olhar e um sorriso, cheios de fraternidade, confortava os oprimidos por uma derrota em Atletiba.

A importância de Jairo para o futebol brasileiro não se encerra na sua qualidade como goleiro. Eis o grande mistério: Jairo foi um dos goleiros históricos do Brasil, não por simplesmente ter qualidade, mas por ter qualidade e ser de cor preta. Era início dos anos 70, e os brasileiros, ainda, usavam o trauma do gol do uruguaio Ghiggia, no “Maracanazo”, de 1950: o goleiro de cor preta era discriminado. Entre o preto e o branco, escalem o branco, era a lei.

E, então, surgiu Jairo, que jogando pelo Coritiba, Corinthians e seleção brasileira, resgatou a dignidade do goleiro de cor preta.

Jairo foi embora.

Não nos dissemos adeus.

Talvez, tenha sido melhor assim.

Compartilhe no WhatsApp Compartilhe no Facebook Compartilhe no Instagram Compartilhe no Twitter Compartilhe a Tribuna