Na escultura, paciente transmite o que
não consegue expressar verbalmente.

Transformar argila em esculturas se tornou mais do que uma forma de arte. Há cerca de 10 anos, a psicóloga curitibana Maria da Glória Bozza criou uma técnica de utilização do produto, que pode agilizar o tempo de terapia de pacientes com problemas psicológicos.

O método, que pode ser aplicado em pessoas de todas as idades, pode ser realizado em grupo ou de forma individual, após avaliação prévia do paciente. “A utilização da argila ajuda muito os pacientes que mostram dificuldades em se expressar verbalmente”, garante Maria da Glória. Segundo ela, 95% das pessoas aceitam se submeter à técnica. Apenas 5% mostram resistência.

A psicóloga explica que o método pode ser utilizado de três maneiras diferentes. Na primeira, psicólogo e paciente modelam uma escultura na argila. O psicólogo faz um objeto que diga alguma coisa sobre o modo de ser do paciente. Este, tem tema livre mas, sem saber, acaba naturalmente expressando algo que está relacionado ao problema que enfrenta. “Cabe ao profissional interpretar o que a pessoa em tratamento está deixando transparecer”, explica.

Na segunda, o psicólogo leva o paciente até uma sala terapêutica, onde se encontra uma estante com diversas esculturas diferentes. O paciente é convidado a eleger uma peça que tenha algum significado para ele. Muitas vezes, isto é feito com pessoas que preferem não lidar com a argila. “Existem esculturas que possuem temas universais”, diz Maria. “Através delas, também pode-se deixar transparecer angústias, medos e dificuldades.”

A terceira forma é o profissional eleger uma escultura que diga algo sobre o que o paciente sente. O paciente diz alguma coisa sobre ele e o psicólogo encontra uma escultura que tenha haver com o que foi dito. Para a psicóloga, é uma forma de “concretizar a fala da pessoa”.

Cerca de novecentos profissionais de Psicologia e de outras áreas, residentes em diversos estados brasileiros, já utilizam a técnica inventada por Maria da Glória. O funcionamento do processo de utilização da argila é detalhado no livro Argila: Espelho da Auto-Expressão, escrito pela psicóloga.

Serviço:

No próximo dia 17 (sábado), a psicóloga Maria da Glória Bozza vai falar sobre seu método a psicólogos e demais profissionais, das 9 às 12 horas e das 13h30 às 19 horas, no teatro do Sesc da Esquina, em Curitiba. A entrada é gratuita. Mais informações: (41)349-4589 ou 3019-4589.