Não é só a radiação emitida pelo sol que pode causar lesões na retina e levar à perda da visão. Outra radiação cada vez mais comum no nosso dia-a-dia que tem efeito semelhante é o laser. De acordo com o oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, o perigo do laser para os olhos está relacionado ao tempo de exposição e ao comprimento de onda. Quanto maiores forem estes dois parâmetros, maior é o risco.

Ele afirma que a maioria dos canhões usados em raves e shows são das classes 3B e 4, com comprimento de onda equivalente ao de equipamentos utilizados por oftalmologistas em procedimentos médicos. “Isso significa que se o facho de luz for direcionado ao rosto das pessoas, ou apontado sobre superfícies refletoras pode causar desde lesões superficiais até danos definitivos na retina”, adverte.

“Este foi o caso de um paciente que permaneceu dias enxergando reflexos depois de participar de um rave. Por sorte foi uma queimadura superficial que não resultou numa baixa contínua da visão porque o tempo de exposição foi curto, mas as células lesadas não têm recuperação”, afirma. “O ideal é sempre proteger os olhos com lentes que bloqueiem a radiação durante estes eventos, principalmente porque a popularização dos canhões de lazer permite que muitas vezes sejam utilizados por pessoas que desconhecem as regras de segurança”.

Queiroz Neto afirma até as ponteiras de laser usadas em apresentação de aulas e palestras podem ser prejudiciais aos olhos. “A mais segura é a que emite uma luz vermelha. Já a ponteira de diodo laser que emite uma luz verde, nem sempre oferece segurança, porque tem um comprimento de onda maior que é potencialmente nocivo aos olhos em casos de exposição prolongada. O problema é que em geral estes produtos são importados, não vêm com todas as especificações de uso e parecem inofensivos para muitas pessoas”, comenta.

Ele adverte aos pais que mantenham o equipamento longe do alcance de crianças. “Isso porque fixar os olhos por mais de 10 segundos na luz emitida por estas ponteiras pode causar causa danos irreversíveis à visão. Já atendi um menino que brincando com uma ponteira de diodo laser chegou ao consultório enxergando reflexos”, afirma. “Os olhos de crianças com até 10 anos são mais sensíveis porque a transparência tanto da córnea como do cristalino é maior e por isso têm menor capacidade de filtrar todo tipo de radiação. Entre adultos as lesões causadas por ponteiras de laser são mais raras porque a pupila é menor e o reflexo de piscar faz com que a exposição seja de menos que um segundo”.

Os sinais de que os olhos foram agredidos pelo laser são: ofuscamento, enxergar manchas ou reflexos e dificuldade de adaptação a ambientes escuros.

As principais recomendações para evitar lesões são: nunca olhar diretamente para o laser; não apontar a luz diretamente sobre outra pessoa ou superfícies refletoras; evitar o uso de binóculo para visualizar a ponteira.