Com 40 casas, o bucólico bairro de Santa Teresa, no Rio, é o reduto
dos cama-e-café.

O conceito B&B nasceu na Irlanda, nos anos 50s, como uma alternativa de baixo custo. Já na década de 80, ressurgiu como um tipo de hospedagem que garante imersão na cultura local – o turista fica na casa de um morador e vive seu cotidiano. Hoje, Irlanda, França e Canadá têm as maiores redes.

Nas casas B&B, os anfitriões oferecem boa cama e café-da-manhã caprichado. Aliados à hospitalidade brasileira, de que mais precisa um turista? Eles ainda dão dicas de pontos (nem tão) turísticos – alguns acompanham os passeios. É um serviço personalizado: o hóspede vê o perfil do anfitrião e escolhe onde quer ficar. E as tarifas são convidativas, entre as de um hotel e um albergue.

Por causa da hospitalidade de Wanderley Figueiredo, dono de uma casa em Santa Teresa, a consultora de turismo Gabriela Noronha, de 33 anos, não pensa em ficar em outro lugar quando vai ao Rio. ?Viajo em busca do intercâmbio cultural. E o Cama e Café tem bom preço.?

A Casa do Wanderley está aberta desde a criação da Cama e Café. ?Sempre gostei de receber e a casa é uma fonte de renda?, justifica. O prazer em receber visitas também fez a arquiteta Cecília Castro construir uma linda casa no Jardim Botânico, no Rio. ?É interessante conhecer pessoas diferentes.?

No Leblon, Maíra Rodrigues recebe em um apartamento de quatro quartos – e gosta tanto que faz tour com os hóspedes. ?Levo à Prainha, ao Recreio….? De seus visitantes, 99% são estrangeiros. ?É um público que procura, mais do que bom preço, intercâmbio cultural.?

Mais informações: www.camaecafe.com.br, www.riohomestay. com.br e www.bbbrasil.info.

Conheça alguns cama-e-café

Casa da Flávia, Rio

Em uma linda e ampla casa de 1932, no bairro de Santa Teresa, a advogada Flávia Garcia recebe turistas do mundo inteiro. A localização – a apenas 20 minutos de Copacabana – e a infra-estrutura (são três suítes) são o destaque da residência, cadastrada no site da rede Cama e Café (www.camaecafe.com.br). A casa tem pé direito de oito metros, varanda, quintal com jardim e até horta. Para os hóspedes, quartos com ar-condicionado ou ventilador de teto e televisão a cabo. Flávia recebe até sete pessoas por vez – crianças com mais de três anos são bem-vindas. Quem gosta de animais vai se dar bem na casa, onde mora um gato. A diária para uma pessoa custa a partir de R$ 95.

Casa do Bruno, Salvador

O sobrado neoclássico do século 19 é revestido de azulejos portugueses e tem móveis de época – Bruno é restaurador e caprichou na decoração. Da sala onde é servido o café, o hóspede tem vista para a Baía de Todos os Santos. Fica em Campo Grande e custa R$ 155 para o casal. Site: www.bbbrasil.info.

Casa da Ana Durães, Rio

Este solar de 1860 foi residência de nobres no período imperial. Na suíte, ar-condicionado e uma bucólica varanda com vista para o casario de Santa Teresa. A anfitriã, Ana Durães, é artista plástica e pode dar dicas de eventos culturais na cidade. O quarto single custa R$ 160.

Casa da Janete, Olinda

Apaixonada por arte e design, a arquiteta Janete Costa montou um espaço que se destaca pela beleza. No coração do sítio histórico de Olinda, a casa recebe tanto casais em lua-de-mel quanto viajantes solitários. Tem piscina e sauna e faz parte da rede Cama e Café. O quarto single custa a partir de R$ 145.