A situação detalhada do desflorestamento na Amazônia já pode ser consultada pela internet. A possibilidade foi aberta pelo Sistema Deter (Detecção de Desmatamento em Tempo Real), desenvolvido pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O sistema mostra os locais de desmatamentos na região amazônica, classificados por período observado e por faixa de área de 25 hectares a 5 mil hectares. Ele produz informações imediatas sobre as regiões recém-desflorestadas e foi desenvolvido para fornecer rapidamente aos órgãos de controle ambiental informações periódicas sobre eventos de desmatamento, para que o governo possa tomar medidas de contenção.

De acordo com o Inpe, o Deter não tem como objetivo calcular a extensão das áreas desmatadas, função já exercida pelo Projeto Prodes, que divulga anualmente as taxas de desmatamento da Amazônia Legal por meio do monitoramento por satélite.

A novidade utiliza sensores com alta freqüência de observação para reduzir as limitações da cobertura de nuvens, como o sensor Modis, a bordo dos satélites Terra e Acqua, da Nasa, a agência espacial norte-americana, e o sensor WFI, que está no satélite brasileiro CBERS-2.

O primeiro sensor tem resolução espacial de 250 metros e freqüência de cobertura do Brasil de três a cinco dias. O outro sensor tem resolução espacial de 260 metros e freqüência de cobertura do Brasil de cinco dias.