A Business Software Alliance (BSA) utiliza o termo pirataria na Internet para se referir a qualquer forma de pirataria de software que envolva o uso da web para comercializar ou distribuir programas de computador protegidos por direito autoral. A entidade alerta os consumidores para as diferentes maneiras de se praticar a pirataria na Internet e dá algumas dicas de como o internauta pode se prevenir.

A BSA descreve, pelo menos, oito diferentes formas de se comercializar softwares ilegais pela Internet. São elas:

1) Peer-to-Peer (P2P), que permite que os usuários localizem, compartilhem e distribuam informações entre workstations sem se conectar a um servidor central. Embora o P2P tenha muitos usuários legítimos, essa tecnologia se tornou uma das formas mais conhecidas de compartilhar material protegido por direito autoral por meio da Internet.

2) E-mail, o correio eletrônico possibilita a distribuição de software pirateado anexando ou codificando arquivos nas mensagens. O e-mail também é utilizado para o anúncio, solicitação e conseqüente venda de software.

3) Grupos de Notícias, apesar de muitos grupos de discussão estabelecidos na web servirem para propósitos legítimos, muitos são usados como veículos de distribuição de software pirateado. Os participantes podem codificar o software no corpo das mensagens e para facilitar o download o programa é, muitas vezes, quebrado em arquivos pequenos.

4) Internet Relay Chat (IRC), os sistemas de comunicação em tempo real são utilizados como veículos que anunciam os novos sites do momento e onde os internautas podem conseguir produtos piratas.

5) Sites de leilão, neste caso os possíveis compradores podem navegar, selecionar e comprar software ilegal em websites e outros sites de e-commerce, que apesar de legítimos, permitem a comercialização de produtos ilegais em seus espaços virtuais.

6) File Transfer Protocol (FTP), utilizada como linguagem padrão, permite que os computadores troquem arquivos rápida e facilmente. Quando explorada comercialmente pelos piratas esta tecnologia permite a distribuição de grandes volumes de programas de computador. Muitas vezes, os vendedores ilegais invadem redes corporativas e utilizam essa capacidade FTP para armazenar e disponibilizar programas.

7) Informações de desbloqueio, além de software pirateado a internet se tornou um armazém de informações para desbloqueio de dispositivos de proteção de software. Os piratas oferecem listas de números seriais que permitem aos compradores de programa ilegal a instalação integral dos sistemas, além da possibilidade de obter suporte técnico e até mesmo registro dos programas.

8) Sites e Links, os piratas chegaram a ponto de criar websites abertamente ilegais, além de estabelecer inúmeras iniciativas de autopromoção. Um dos sites mais populares são aqueles que fornecem links para outros sites onde é possível fazer o download do produto ilegal.

?A BSA é contra qualquer barreira para os avanços tecnológicos, mas é preciso que a sociedade aprenda a conviver com tais avanços e respeite toda a criatividade e investimento das empresas que os propiciam?, declara André de Almeida, advogado da BSA no Brasil.

BSA –
www.bsa.org