enkontra.com
Fechar busca

Coritiba

Coritiba

Coritiba

STJD

Selvageria custa 30 mandos de jogos ao Coxa

STJD, por unanimidade, aplicou a pena máxima ao Coritiba

  • Por Felipe Lessa

Perda de mando de 30 jogos, multa de R$610 mil e o funcionário Osvaldo Dietrich suspenso de atividades relacionadas ao futebol por 720 dias. Foi o que custou ao Coritiba a invasão de campo e as confusões protagonizadas por torcedores, no Estádio Couto Pereira, após o jogo contra o Fluminense.

A pena foi concedida no julgamento de ontem, no STJD, em primeira instância. Em decisão unânime dos auditores (5 a 0), o Coritiba foi penalizado por deixar de cumprir os artigos 211 e 213, do Código Brasileiro de Justiça Desportiva, relacionados à ausência de infraestrutura e segurança no local do evento e também por deixar de tomar providências capazes de prevenir invasões de campo, tumulto, arremesso de objetos.

Além do clube ser obrigado a jogar em um estádio com distância mínima de 100 quilômetros de Curitiba, na Série B e na Copa do Brasil, o Couto Pereira vai permanecer interditado.

Para voltar a receber partidas, terá que passar por inspeção realizada pela CBF. Só depois é que começa a valer a pena da perda de mandos. Houve a absolvição apenas na acusação de deixar de cumprir obrigações legais da competência da justiça desportiva, relacionada ao Estatuto do Torcedor.

O Coritiba tem até sexta-feira para apresentar recurso, para tentar diminuir a pena em um julgamento definitivo, no Pleno Superior Tribunal de Justiça Desportiva, que deve ocorrer entre janeiro e fevereiro de 2010.

A sessão

O julgamento de ontem no STJD foi tenso do início ao fim. Previsto para 17h, teve início somente mais de 1 hora depois. Durou cerca de quatro. Desde sua chegada, Jair Cirino já demonstrava nervosismo, negando qualquer entrevista.

Vídeos da invasão e das brigas foram intensamente mostrados como provas de acusação. O Coritiba tentou se defender com laudos de Bombeiros e Polícia Militar com validade até 2010, como também alegando ser vítima de um crime passional cometido por torcedores.

Entre as testemunhas, o diretor de vistorias da Federação Paranaense de Futebol, Reginaldo Cordeiro. Seu depoimento não foi levado a sério. Viu sua argumentação desabar quando disse um “não” ao ser abordado pelo auditor Otacílio Araújo: “Você estava no jogo?”, foi a questão.

O coronel da Polícia Militar Jorge Costa Filho também foi utilizado como testemunha do clube, afirmando que a corporação estava preparada para possíveis incidentes depois do jogo.

Garantiu que cerca de 100 policiais atuaram para conter a fúria dos invasores. Apesar dos esforços, o Coritiba foi punido. Além da queda no ano do centenário, terá que fazer grandes esforços para reverter o posicionamento do STJD.

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Últimas Notícias

Mais comentadas