A Promotoria de Justiça de Almirante Tamandaré denunciou por formação de quadrilha e peculato cinco pessoas, acusadas de uso indevido de veículos e armas, apreendidos na delegacia de Campo Magro. A denúncia foi protocolada terça-feira.

Dos acusados, quatro foram presos preventivamente no início do mês pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público: o subtenente da Polícia Militar Emídio Cézar Marcante, que ocupava o cargo de gestor da delegacia; o ex-funcionário da prefeitura Rudimar dos Santos, que já exerceu a função de escrivão; o mecânico Elias Borges, acusado de retirar e vender as peças dos automóveis, e Valdinei Ebson Rodrigues, que se passava por policial (o chamado “bate-pau”). Outro falso policial acusado é Márcio Bezzera, que também teve a prisão decretada, mas continua foragido.

Indevido

Segundo o promotor Willian Lira de Souza, o grupo vendia peças de carros apreendidos e também utilizava os veículos, na maioria com chassis adulterados, para fins pessoais e para alguns serviços da delegacia.