Uma moça de 18 anos, grávida de sete meses, foi presa com 2,5 mil comprimidos de ecstasy na rodoferroviária de Curitiba. A prisão foi por volta das 6h desta quarta-feira (19), depois que policiais militares e federais da Força Tarefa estranharam as atitudes que a moça teve no local. Ao ser abordada, a droga que estava na bolsa foi encontrada.

A jovem não teve o nome divulgado e não contou aos policiais a procedência da droga. “Ela também não respondeu a nenhuma pergunta que os nossos policiais fizeram, ficou calada e infelizmente é um direito dela”, disse o delegado de Polícia Federal, Cleo Mazoti. A moça foi levada para a Superintendência da Polícia Federal, no Santa Cândida.

Sobre a droga, os policiais acreditam que tenha vindo da Europa. “Não sabemos por quantas pessoas essa droga passou no Brasil, nem podemos afirmar que ela recebeu esse produto na rodoferroviária ou se ela que venderia, mas pelas características dos comprimidos, vieram de fora do país com certeza”, explicou o delegado.

Agora, segundo a Polícia Federal, as investigações seguem para descobrir mais informações a respeito da droga, de onde veio e para onde iria. A rodoferroviária de Curitiba é considerada pela PM e PF como a porta de entrada e saída de drogas na capital.

Por isso, segundo o Capitão Alexandre, da Polícia Militar, será rotina operações como a desta quarta-feira. Serão diárias e em horários alternados. “A pessoa que está errada sempre demonstra, de uma forma ou outra, e nós vamos encontra-la”, disse.
 
Especial

A moça, que já está à disposição da Justiça Estadual, vai responder por tráfico de drogas e pode ficar até 30 anos presa. Por estar grávida, de acordo com a PF, deve ser transferida o quanto antes para o Complexo Médico Penal.