Depois de 12 horas de julgamento, Erivelto Diversino Fernandes, 41 anos, foi considerado culpado de violentar e assassinar Ariane Ferreira de Souza, 10 anos. O juiz Cláudio Camargo Santos, proferiu a sentença às 20h30 de sexta-feira, no Tribunal do Júri de Maringá. Erivelto foi condenado a 36 anos e 6 meses de prisão, mas a defesa vai recorrer.

O crime foi cometido no dia 22 de fevereiro deste ano, no Jardim Alvorada, naquela cidade. De acordo com a acusação, Erivelton convidou a menina para andar de bicicleta e levou-a até uma plantação de soja. Lá, ele teria violentado e asfixiado a criança. O corpo foi encontrado no dia seguinte.

Dias depois, Erivelton foi preso e confessou na delegacia e para a reportagem de um jornal local, que era o autor do crime. Porém, quando foi ouvido em juízo negou todas as acusações. O caso revoltou a população local e Erivelton ficou conhecido como "Monstro de Maringá".

O promotor Laércio Januário de Almeida denunciou Erivelton por homicídio, ocultação de cadáver e atentado violento ao pudor.

O advogado Matheus Gabriel Rodrigues de Almeida, nomeado para defender o acusado, vai se basear na falta de provas materiais para recorrer da sentença. Segundo ele não houve confrontação das roupas da vítima e do acusado, que deveriam ter sido levadas no tribunal, tampouco o resultado da perícia das vestimentas.