Brasília ? As cerca de 400 famílias que ocupam a Fazenda AgroReservas, em Unaí (MG), tem até às 16 horas de hoje (13) para deixar o local. A informação foi dada por um dos coordenadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST) do Distrito Federal e Entorno, Gaspar Martins. "As famílias estão decidindo se vão sair ou resistir", disse Martins. O coordenador afirma que, apesar do prazo estar perto de se esgotar, "o clima está tranqüilo" na fazenda.

O grupo ocupa parte da fazenda desde o dia 25 de setembro. Na última sexta-feira (7), o juiz da Vara de Conflitos Agrários de Minas Gerais, Fernando Humberto dos Santos, concedeu liminar que permitia aos proprietários a reintegração da posse da fazenda, mas uma negociação entre os oficiais de justiça e as famílias permitiu a ampliação do prazo.

A fazenda AgroReservas tem 30 mil hectares e pertence à Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, conhecida como "religião dos mórmons". Com base em um estudo do Instituto de Terras de Minas Gerais (Iter) sobre registros de terra irregulares, o MST afirma que a área ocupada em Unaí é pública e, por isso, reivindica que ela seja usada na reforma agrária. Já os donos da fazenda alegam ter comprado as terras há dois anos do Grupo Votorantim.

Na decisão, o juiz da Vara de Conflitos Agrários reconhece a propriedade da terra e atesta que a área ocupada, além de gerar 300 empregos, é produtiva. Para ele, qualquer desapropriação necessitaria de um processo que comprove a irregularidade dos documentos de posse da terra.