O suspeito de matar a facadas o engenheiro mecânico Roberto Tiepolo Júnior, 42 anos, após uma briga em um bar no Alto da XV, foi preso na tarde de quinta-feira (11), em Curitiba. Identificado como Anderson Faria de Jesus, 27 anos, o homem é apontado pela polícia como o autor do homicídio, que aconteceu na madrugada do dia 2 de fevereiro deste ano.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

O crime aconteceu após uma briga iniciada dentro um bar da Rua Itupava. Segundo as investigações, a vítima estava no estabelecimento quando foi agredida pelo suspeito e mais três homens. Após diversos chutes e pancadas, Júnior conseguiu fugir dos agressores, mas acabou perseguido por Anderson, que desferiu três golpes de faca contra ele. Gravemente ferido, o engenheiro não resistiu e morreu no local.

Nada a declarar

Ao ser questionado sobre o crime, o suspeito de esfaquear e matar a vítima preferiu ficar em silêncio. Já os outros três envolvidos na briga, todos com 19 anos de idade, foram ouvidos e indiciados por lesão corporal. Durante a oitiva, o trio confessou o envolvimento nas agressões, porém, não teriam participado do homicídio, que ocorreu após a confusão.

Denúncia

Para a delegada Tathiana Guzella, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), um dos principais elementos usados para elucidar o caso foi uma denúncia feita pelo 0800. “Foi por ela que se chegou às pessoas que estavam no local do crime. Foi uma denúncia remota fundamental”, afirmou.

+ Leia mais: Homem é baleado em tentativa de assalto em frente à loja da qual é fornecedor

De acordo com a delegada, pela denúncia foi possível chegar aos envolvidos e confrontar a versão deles, que, em um primeiro momento, negaram a participação. “Ninguém se apresentou voluntariamente. Precisamos mostrar o que já sabíamos, como as imagens, para eles confessarem. Por isso, chegamos ao autor das facadas”, disse Tathiana.

Em cana

Só o Anderson está preso por homicídio duplamente qualificado, cometido por motivo fútil e sem nenhuma chance de defesa. Se condenado, ele poderá pegar até 30 anos de prisão. Os outros três vão responder por agressão grave.

A delegada ainda revelou que havia uma quinta pessoa, que aparecia nas imagens, mas ela não participou das agressões. Pelo menos dez testemunhas foram ouvidas para a finalização do inquérito.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Três morrem em confronto com o Bope na Grande Curitiba