Três mulheres e um homem foram presos na terça-feira (17) e outras duas mulheres na tarde desta quarta-feira (18) suspeitos de tentar realizar compras em uma loja de móveis, localizada no bairro Novo Mundo, em Curitiba, utilizando documentos falsos. Segundo a Polícia Civil, o grupo criminoso já havia realizado compras fraudulentas nesta mesma loja outras três vezes, somente no mês de setembro. Estima-se que o prejuízo causado ao estabelecimento ultrapasse a margem dos R$ 20 mil, com a retirada efetiva dos móveis comprados.

+ Leia ainda: Pra evitar acidente com mais vítimas, motorista bate em árvore após perder freio

Após as prisões, outros contratos de compra que tramitavam em outras cinco lojas dos mesmos donos foram suspensos. De acordo com o gerente geral dos estabelecimentos, o prejuízo poderia ter chegado aos R$ 80 mil.

“Nós estávamos atentos. As compras que eles conseguiram efetivar acabaram passando pela financeira, mas, dessa vez, acionamos a polícia ao notar as alterações nos documentos deles”, contou o gerente, que preferiu não se identificar.

+ Leia mais: Construção de trincheira vai promover desvio na BR 277 entre Curitiba e o Litoral do PR

Os suspeitos utilizavam documentos falsos para adquirir o mobiliário da loja por meio de crediário. No momento da prisão, os policiais civis encontraram carteiras de identidades falsas em posse de duas das mulheres. As idades dos presos ficam entre 21 e 30 anos.

Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná
Foto: Átila Alberti/Tribuna do Paraná

Pegos ‘no flagra’

O delegado Marcos Pestano, da Delegacia de Estelionatos, disse que o grupo praticava uma compra no momento da prisão. “Era uma compra de R$ 5 mil. Depois, verificando o sistema da loja, havia mais três compras registradas, uma delas de R$ 14 mil. Essas três com o mobiliário já retirado da loja”, apontou Pestano. Ainda segundo o delegado, os móveis eram variados. “Mesa de cozinha, jantar, armários. Tudo o que era possível eles compravam”, afirmou.

+ Leia também: Curitiba pode passar a ter serviço de mototáxi caso projeto de lei seja aprovado

O grupo criminoso foi encaminhado para a delegacia e autuado em flagrante por estelionato, tentativa de estelionato, uso de documento falso e associação criminosa em crime continuado. Todos os quatro encontram-se presos à disposição da Justiça.

O gerente da loja ainda fez um alerta para os comerciantes. “Não é agradável saber que temos que passar por esse tipo de coisa, mas temos que nos precaver. O conselho é pedir mais de um documento na hora do cadastro. Pedir um cartão de banco, um endereço, além dos documentos corriqueiros de identidade. Isso ajuda a evitar um golpe”, concluiu.

Polícia estoura ‘QG’ de traficantes, ao buscar suspeito de tentar matar a mulher