enkontra.com
Fechar busca

Segurança

Casa de Custódia de Piraquara

Carcereiros cobram ações urgentes para evitar surto de sarna em presídio

  • Por Redação / Tribuna do Paraná
Imagem ilustrativa. Foto: Arquivo/Tribuna do Paraná

O Sindicato dos Agentes Penitenciários do Paraná (Sindarspen) solicitou nesta quarta-feira (13) que o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) providencie imediatamente uma força-tarefa de saúde para conter a possibilidade de proliferação de sarna na Casa de Custódia de Piraquara (CCP), na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). No ofício o sindicato propõe que a Secretaria Estadual de Saúde seja acionada e que o Depen aumente o número de servidores de saúde fixos na unidade.

+ Fique esperto! Perdeu as últimas notícias sobre segurança, esportes, celebridades e o resumo das novelas? Clique agora e se atualize com a Tribuna do Paraná!

Na última segunda-feira (11), a Secretaria de Segurança Pública e Administração Penitenciária (SESP) iniciou um processo de transferência de presos para a unidade, após a Vigilância Sanitária de São José dos Pinhais ter interditado a maior delegacia da cidade por conta do surto da doença no local. Foram transferidos para a CCP 52 presos com sarna, que ficaram isolados em sete contêineres, onde já estavam outros 16 presos com ouros problemas de pele.

+ Leia mais: Após provocar a polícia nas redes sociais, golpista se dá mal e vai em cana

Apesar do isolamento, o Sindarspen alerta que a chance de contaminação para os agentes penitenciários é enorme, já que apenas uma enfermeira trabalha no local e um médico fica de plantão uma vez por semana.

“Quando os presos chegaram, foi dada medicação aos agentes, mas esse remédio não tem ação imediata. O risco de contaminação dos trabalhadores é real e eles, além de contaminarem outros presos, podem contaminar suas famílias em casa”, relatou o dirigente sindical Rodrigo Fontoura, que esteve na CCP.

+ Leia mais: Doenças saem da carceragem e tomam conta de delegacia na Grande Curitiba

Na CCP trabalham cerca de 100 agentes, divididos em três equipes, e o contingente que faz a movimentação dos presos isolados é o mesmo que faz a movimentação dos outros 1.500 presos que já estavam no local.

A doença é facilmente transmitida entre pessoas que partilham roupas, lençóis ou toalhas, sendo, por isso, recomendado evitar o contato direto com a pele da pessoa infectada ou com suas roupas, pelo menos até ao final do tratamento.

+ APP da Tribuna: as notícias de Curitiba e região e do trio de ferro com muita agilidade e sem pesar na memória do seu celular. Baixe agora e experimente!

Abelhas e vespas ‘em fúria’ assustam moradores de Curitiba; aprenda a se proteger

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

6 Comentários em "Carcereiros cobram ações urgentes para evitar surto de sarna em presídio"


Jorge Cabral
Jorge Cabral
6 meses 7 dias atrás

Gasolina e fogo.

Cláudio
Cláudio
6 meses 7 dias atrás

Não é difícil isso virar um problema sério para toda a população. O calor colabora também.
Muitos falam em “mofar” na cadeia. Não é bem assim. Tudo tem seu ônus.
Tomara que controlem a situação.
Não sou a favor dos direitos humanos só pra bandido.
Mas o perigo mora ao lado.

Tiago Ribas
Tiago Ribas
6 meses 7 dias atrás

O nome carcereiro poderia ser alterado para facilitador, é impressionante como entram aparelhos celulares nos presídios

Mário
Mário
6 meses 7 dias atrás

Em presídios federais , dificilmente entra alguma coisa .

Tiago Ribas
Tiago Ribas
6 meses 7 dias atrás

As estaduais é o oba oba, cada preso com o seu celular conectado e e não duvido muito que além do uso liberado do celular, utilizam o wi-fi da penitenciara.

Rafael Pilha
Rafael Pilha
6 meses 7 dias atrás

Só encher uma caixa d’água com criolina e fazer a ladrãozada ” se moiá” nela antes de entrar no xadrez !

wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas