A juíza Denise Appolinária, da 76° zona eleitoral de Campos, no norte
fluminense, concedeu ontem (24) à governadora Rosinha Matheus efeito suspensivo
da decisão que a tornou inelegível por três anos. A governadora do Rio recupera
os direitos políticos até que seu recurso seja julgado pelo Tribunal Regional
Eleitoral (TRE) do Rio.

A medida não atinge o secretário de Governo e
Coordenação Anthony Garotinho, que continua inelegível até 2007. Também não
foram beneficiados o candidato do PMDB nas eleições municipais, Geraldo Pudim, e
o prefeito afastado de Campos, Carlos Alberto Campista (PDT). Um pedido de
liminar de efeito suspensivo do prefeito, na tentativa de voltar ao cargo, já
tinha sido indeferida na semana passada pelo TRE.

A decisão da juíza não
muda a condenação em relação à governadora, já que não há eleições próximas. O
julgamento do recurso dos condenados, segundo o presidente do TRE do Rio,
desembargador Marlan Marinho, deverá ser rápido. O processo deverá ser remetido
pela Justiça de Campos para o TRE, no Rio, na próxima semana.

O Palácio
Guanabara chegou a anunciar que o efeito suspensivo também beneficiava
Garotinho. No entanto, segundo a assessoria de comunicação do TRE, a juíza
concedeu o efeito suspensivo apenas à governadora por ela ter sido condenada
pelo abuso de poder político, o que permite aguardar o recurso sem a
penalização.

Contra Garotinho pesam também condenações por abuso do
poder econômico. O casal Garotinho foi condenado pela Justiça Eleitoral de
Campos por apoiar o candidato Geraldo Pudim (PMDB) com a distribuição irregular
de benefícios sociais do governo do Estado em período eleitoral. A juíza também
cassou o mandato de Campista, que derrotou Pudim, pelos mesmos motivos.