O projeto do governo que pretende mudar a forma de contabilizar o déficit do regime geral da Previdência está praticamente pronto e deve ser enviado ao Congresso até o fim do ano. A afirmação foi feita hoje pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, que participou do evento Destaque Empresas de 2005, promovido pela Agência Estado na capital paulista. As mudanças, que já ganharam o nome de "reforma da Previdência", incluiriam parcela de arrecadação da CPMF nas receitas previdenciárias e separam das contas as aposentadorias do setor rural, com o objetivo de reduzir o rombo previdenciário no País

Segundo Bernardo, o governo não encaminha o projeto agora porque o Congresso está com dificuldade para a votação de reformas e muitos congressistas vão disputar eleições neste ano. "Teremos condições de apresentá-lo até o fim do ano e acreditamos que a reforma será aprovada no início do ano que vem", reiterou

O ministro afirmou considerar a reforma da Previdência como fundamental para a redução dos gastos correntes, que, ao mesmo tempo, eleva o grau de previsibilidade da economia brasileira e permite a redução da carga tributária