A projeção de analistas financeiros para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) teve significativa queda esta semana. De acordo com a pesquisa semanal de opinião feita pelo Banco Central (boletim Focus) e distribuída hoje (12), a previsão para o IPCA baixou de 4,31%, na semana anterior, para 4,22%, ficando ainda mais abaixo da meta de 4,5% fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).

A redução no varejo está relacionada com o fato de a inflação de maio ter caído pela metade na comparação com os reajustes do mês anterior e de a primeira semana de junho ter apontado deflação nos alimentos.

Em sentido contrário, o levantamento mostra que os preços no mercado atacadista inverteram o sinal de queda e agora estão com indicativo de alta para os próximos meses. O Índice Geral de Preços ? Disponibilidade Interna (IGP-DI) subiu de 3,17% para 3,25% e o Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) passou de 3,12% para 3,15%.

No varejo, houve queda ainda mais significativa na capital paulista. Segundo o Índice de Preços ao Consumidor, medido pela Fundação Instituto de Pesquisa Econômica (IPC-Fipe) da Universidade de São Paulo (USP), a expectativa de inflação cedeu de 3,48%, na semana anterior, para 3,04%.

A previsão de IPCA para este mês de junho também é declinante e baixou de 0,23% para 0,20% na comparação semanal, com possibilidade de subir para 0,35% no mês que vem. Em contrapartida, o boletim Focus estima alta na inflação para os próximos 12 meses: de 4,21% para 4,26%.

Por outro lado, os economistas do setor privado apostam no bom comportamento dos preços administrados por contrato ou monitorados (combustíveis, energia elétrica, telefonia, água, saneamento, educação, medicamentos, transporte urbano e outros). A previsão há 12 semanas é de que esses preços serão reajustados em 4,5% no máximo, tanto neste ano quanto em 2007.