O presidente do Sindicato dos Servidores Municipais de Matinhos, Carlos Evaldo Bogucheeski, e o presidente da Força Sindical, Sérgio Butka, acusaram ontem o prefeito afastado da cidade, Acindino Duarte, de ter tomado uma série de ações em prejuízo do funcionalismo público. Segundo eles, para mascarar os equívocos cometidos por sua administração, o ex-prefeito teria reduzido pela metade a gratificação dos servidores, em dezembro do ano passado. Isto fez com que, de acordo com a denúncia, funcionários municipais estejam recebendo menos que o salário mínimo – R$ 140.

Ainda de acordo com os dois sindicalistas, a Prefeitura também mantém um contrato de terceirização com a empresa Contauu que conteria irregularidades. “Um exemplo é a creche, onde havia o registro de 36 funcionários, mas apenas oito trabalhavam”, afirmou Bogucheski.

O interventor do município, José Maria Correia (PMDB), que assumiu o cargo em 21 de fevereiro no lugar de Acindino Duarte, disse ontem que ainda não recebeu nenhuma denúncia formal do Sindicato dos Servidores Municipais de Matinhos. Ele disse, porém, que está disposto a ouvir os representantes do funcionalismo. “Não tenho nenhum problema em conversar com o sindicato. Estamos abertos ao diálogo”, afirmou o prefeito, que disse já ter tomado uma série de medidas saneadoras desde que tomou posse no cargo.

No caso da Contauu, por exemplo, José Maria afirmou ter determinado à Procuradoria do Município que notifique a empresa a respeito do desinteresse do governo de rescindir o contrato. “Quero promover concursos públicos para a área de saúde”, disse. O interventor espera concluir o processo de abertura e realização do concurso dentro de dois meses. Mas ele não soube informar se o número de contratados é superior ao necessário. “Nós pedimos planilhas detalhadas sobre o número de funcionários e ainda estamos aguardando as informações”, afirmou.