Além de traçar os rumos da chapa Partido que Muda o Brasil, que une as maiores correntes do Partido dos Trabalhadores, a reunião de dirigentes que acontece nesta sexta-feira, 12, em um hotel no centro de São Paulo deve discutir também o espaço do partido no segundo mandato de Dilma Rousseff.

Um parlamentar ouvido pelo Broadcast Político, serviço em tempo real da Agência Estado, relativizou recomendações que teriam sido dadas pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para que o partido contivesse seu apetite por cargos e aceitasse ceder mais postos a aliados na Esplanada. “O PT vai querer ter seu espaço”, resumiu um dos dirigentes.

De saída da Secretaria-Geral da Presidência, o ministro Gilberto Carvalho deixou o hotel para se encontrar com Lula e disse apenas que estava “trabalhando na transição”. Ele será substituído pelo ex-ministro do Desenvolvimento Agrário Miguel Rossetto, mais próximo à presidente Dilma. A palestra do ministro da Secretaria de Relações Institucionais, Ricardo Berzoini, marcada para a tarde de hoje, é aguardada pelos presentes.