A partir do próximo dia 7, o transporte público de Curitiba passa a ser operado pelos consórcios Pontual, Transbus e Pioneiro. Eles foram os vencedores da primeira licitação do transporte coletivo da cidade, homologada no último mês de agosto, pelo prefeito Luciano Ducci.

A mudança, de acordo com a Urbs (Urbanização de Curitiba S/A), não deve trazer alterações no valor da passagem, nem no funcionamento das linhas. O Consórcio Pontual é formado pelas empresas Transporte Coletivo Glória, Auto Viação Marechal, Auto Viação Mercês e Auto Viação Santo Antonio; o Consórcio Transbus é integrado pela Auto Viação Redentor, Araucária Transporte Coletivo e Expresso Azul; e o Consórcio Pioneiro pela Viação Cidade Sorriso, Viação Tamandaré, Auto Viação São José e CCD-Transporte Coletivo.

Algumas empresas que integram os consórcios já atuam no transporte coletivo da capital há vários anos. Outras empresas atuantes, que não participaram da licitação, estão mudando de mãos e devem continuar atuando sob controle de novos grupos.

De acordo com o Sindicato das Empresas de Ônibus de Curitiba e Região Metropolitana, isto deve acontecer com a Viação Nossa Senhora da Luz, que foi adquirida pela Viação Marechal, e com a Viação Curitiba (a mais antiga da cidade), que passou para as mãos da Araucária.

Ainda conforme o sindicato, está em negociação a venda da Viação Água Verde. As empresas compradoras devem assumir os veículos e todos os funcionários das adquiridas.

O prazo de concessão do transporte coletivo de Curitiba é de quinze anos, podendo ser renovado por mais dez. A licitação é resultado de um processo que teve início em janeiro de 2005, com a criação da Comissão de Estudos Tarifários.

Foi licitada a operação de 302 linhas (250 do sistema principal e 52 complementares), que abrangem todas as categorias de transporte, como ônibus convencionais, ligeirinho, ligeirão, interbairros, interhospitais e linha turismo. O sistema de transporte conta com 21 terminais e 315 estações-tubo.