Variações dentro de uma margem aceitável na maioria dos casos, diferenças exorbitantes em outros mais pontuais. O boletim diário sobre o coronavírus da Secretaria de Estado da Saúde apresenta dados diferentes dos boletins municipais. A Gazeta do Povo analisou os números das 10 maiores cidades do Paraná (responsáveis por praticamente metade dos casos e mortes por covid-19 no estado) apresentados na última terça-feira e observou dados diferentes ao compilado do boletim estadual da mesma data. A variação indica que os municípios já registraram 14% mais casos e 3% mais mortes que o boletim estadual.

LEIA MAIS – Contaminação ‘strike’ acontece quando as pessoas negam o isolamento, diz secretária de saúde

A maioria das diferenças é sutil, e pode ser explicada pela diferença no horário de fechamento dos boletins ou pelo tempo que o município leva para comunicar o caso à Secretaria de Estado da Saúde. Curitiba, por exemplo, registrava 287 óbitos na terça-feira, enquanto a SESA computava 285. Mas a diferença no número de casos era superior a mil. Enquanto o estado contabilizava 9532 casos na capital, a prefeitura já tinha a confirmação de 10673 casos.

LEIA AINDA – De luto, profissionais de saúde sentem cansaço e desgaste no combate à covid-19

Em Londrina, o estado registrou mais casos (2130) que a própria prefeitura (2057), mas há uma morte a mais contabilizada pelo município (97, ante 96 do estado). Em Paranaguá, o estado registrou mais mortes (22) que a prefeitura (20). Ponta Grossa, São José dos Pinhais, Cascavel e Guarapuava, têm uma leve diferença em relação aos números do boletim estadual, que pode ser atribuída à demora de um a dois dias para comunicação e registro dos casos no levantamento da SESA. Apenas Colombo apresentou números idênticos nos dois boletins.

Mas os casos de Maringá e, principalmente, Foz do Iguaçu, vêm chamando a atenção. Na cidade do Noroeste do estado, há quase 500 casos a mais registrados pela Secretaria Municipal de Saúde (2342) que pelo estado (1855) e quatro mortes a mais (32 ante 28). Já no município da fronteira, a comparação é ainda mais alarmante. Enquanto o boletim estadual de terça-feira apresentou 746 casos na cidade, o município já registrava 1910. Enquanto o estado tinha o registro de 11 mortes por Covid-19 na cidade, a prefeitura já havia confirmado 20 óbitos. No boletim de terça-feira, por exemplo, a SESA considerou três novos casos na cidade, enquanto a Secretaria Municipal anunciou 42 confirmações.

VEJA TAMBÉM – Curitiba tem recorde diário de casos de coronavírus com mais 717 infectados

A Secretaria de Estado da Saúde informou que os dados de seu boletim são informados pelos municípios. “Se há divergência, ou o município não informou o dado atualizado, ou houve algum erro interno de processamento da informação”. A assessoria de imprensa da prefeitura de Foz do Iguaçu informou que repassa diariamente seus dados, através da vigilância epidemiológica para a Secretaria de Saúde. O município admitiu que pode haver um delay de seis a oito dias na notificação, que é feita manualmente. Mas salientou que o município já ultrapassou os números hoje considerados pelo estado há mais de 10 dias.