Com a inauguração do novo prédio do Tribunal de Justiça (TJ) do Estado do Paraná, no próximo dia 28 de janeiro, será possível tornar mais ágil as soluções para os conflitos de interesses.

De acordo com presidente do Tribunal, Oto Luiz Sponholz, a ampliação do espaço físico possibilitará realizar um maior número de audiências. "Se hoje a capacidade de cada Câmara é de fazer uma seção por dia, em breve ela poderá realizar cerca de quatro seções a mais".

Segundo o desembargador, o Tribunal cresceu muito. A partir disso veio a necessidade de mais espaços. O novo edifício vai concentrar a estrutura central do TJ, liberando o Palácio da Justiça para eventualmente abrigar outros departamentos do Tribunal, como o de Engenharia e o de Patrimônio.

O prédio anexo do Palácio da Justiça é que o se chama de edifício inteligente, por estar estruturado com recursos de rede de informática, de câmeras internas e de calefação. São doze andares, que irão abrigar grupos de câmaras, gabinetes para até 58 desembargadores e respectivas assessorias, corregedoria, secretaria, subsecretaria e a cúpula diretiva do Poder Judiciário. No último andar irá funcionar o Salão de Plenária, com capacidade para 386 pessoas.

Novos desembargadores

O prédio Anexo do Palácio da Justiça vem em boa hora, pois, com a extinção do Tribunal de Alçada pela emenda constitucional editada no final de 2004, o TJ irá receber mais 70 desembargadores em seus quadros. A assessoria do TJ informou que, em princípio, os novos desembargadores continuarão trabalhando no mesmo lugar em que estão, na sede do recém extinto Tribunal de Alçada. As decisões a respeito de assuntos como esse caberão à gestão do próximo presidente, Tadeu Marino Loyola Costa, que se inicia em primeiro de fevereiro.