A Coordenadoria Estadual de Defesa Civil alerta a população sobre o perigo de incêndio em vegetação devido ao clima seco. Informações de satélites apontam risco extremo em mais da metade do Paraná e risco elevado nas outras regiões. Conforme estatísticas da Defesa Civil, de janeiro até esta segunda-feira (11), foram atendidos mais de 3 mil incêndios em vegetação. Somente na última semana, o número foi de 480 atendimentos. Desses casos, a maioria foi registrada em Curitiba e Região Metropolitana.

De acordo com o tenente Pinheiro, as causas que motivam o surgimento dos incêndios em vegetação são várias. ?Nas rodovias, os tocos de cigarro, vidros (funcionam como lentes) e latinhas costumam ser os principais responsáveis. Já nas regiões rurais, as queimadas realizadas sem as medidas preventivas adequadas constituem a principal causa?, afirmou. Independentemente da região do Estado, a soltura de balões também colabora para aumentar o perigo de incêndios e é crime previsto na Lei de Crimes Ambientais, com pena de um a três anos de detenção e pagamento multa.

?O que chama a atenção, uma vez que a concentração dos atendimentos ocorre em Curitiba e Região Metropolitana, é a incidência de fogo em terrenos baldios e campos. Algumas pessoas insistem em atear fogo em terrenos sob o pretexto de limpá-los, porém, a maioria desconhece ou não realizou o acionamento de um serviço de limpeza pública?, disse Pinheiro. O tenente afirma também que muitas vezes a presença de animais e insetos não é motivada pela vegetação, mas sim porque os moradores próximos depositam resíduos e lixo no terreno.

Prevenção

A Defesa Civil oferece uma série de orientações para preservar o meio ambiente, evitando os incêndios em vegetação. São elas: não soltar balões nas festas juninas ou em qualquer época do ano; não jogar pontas de cigarros; não atear fogo em terrenos baldios, no quintal de casa ou outros locais. Para denunciar atos que possam prejudicar o meio ambiente é necessário entrar em contato com a Força Verde, pelo 0800-643-0304, Polícia Militar, pelo telefone 190 ou o Corpo de Bombeiros, pelo telefone 193.