Walter Alves / GPP
cegos020405.jpg

Já foram produzidos 16 mil
equipamentos para locomoção.

Fabricação, troca e doação de bengalas; manutenção de máquinas de escrever e impressoras braile; e manutenção em Soroban (aparelho que facilita a compreensão dos cegos). Preocupados com a qualidade de vida dos deficientes visuais, profissionais da Divisão de Serviços do Centro Federal de Educação Tecnológica do Paraná (Cefet-PR) desenvolvem todas essas atividades, desde 1985, em um laboratório específico. Até hoje foram produzidos 16 mil equipamentos para locomoção e outros 22 mil foram reparados.

Anualmente são atendidos cerca de 1.100 cegos de todo o País. ?Somos os únicos no Brasil que desenvolvem esse trabalho (confecção de bengalas) de forma artesanal e sem custo?, explica o chefe da divisão, Ewaldo César da Costa.

Ele conta que muitos cegos procuram a divisão, conhecida por eles como setor das bengalas, para que elas sejam desamassadas. ?As pessoas pisam, muitas vezes, de propósito porque o cego encostou a bengala nelas?, conta Ewaldo. A procura começou já em 1984, porque não havia, em Curitiba, um lugar especializado nessas manutenções.

O objetivo do trabalho não é apenas melhorar a qualidade de vida dos cegos, mas também o aperfeiçoamento da tecnologia aplicada. ?Objetivamos também o avanço tecnológico desses equipamentos. Hoje fazemos manualmente, mas já temos um protótipo para a otimização e fabricação industrial?, afirma Ewaldo.

Para a confecção das bengalas e demais serviços prestados, o setor conta com dois técnicos, um em mecânica e outro em elétrica, e um estagiário. Todo o trabalho é feito com muita atenção. ?Não dá para fazer no olho. Nós temos a medida. Para cada tamanho, variam também as medidas das peças. A montagem é simples. A confecção é que demora?, explica o chefe da divisão.

Quem participa desse trabalho social tem satisfação em estar ajudando. ?É gratificante poder atender quem vem procurar a nossa ajuda?, conta o técnico Claiton Warnk.

Facilidades

O mais interessante é que, além de não ter fins lucrativos, esse trabalho dos técnicos do Cefet-PR não tem burocracia alguma. Qualquer instituição ou pessoa que estiver interessada nesses serviços pode entrar em contato direto com o setor e solicitar. ?Para nós é uma coisa tão simples?, conta Ewaldo.