Cláudio Fajardo, durante a posse:
“Não agiremos sozinhos”.

Tomou posse ontem o novo diretor da Biblioteca Pública do Paraná, o sociólogo Cláudio Fajardo, 51 anos. Professor de Sociologia da Fundação de Estudos Sociais do Paraná há 20 anos e ex-diretor administrativo da Fundação Cultural de Curitiba, Fajardo conta que uma das metas frente à BPP, segundo orientação do governador Roberto Requião, é desenvolver programas de estímulo à leitura e transformar a biblioteca em uma espécie de centro de debates sobre variados temas, de interesse local e nacional.

“Não agiremos sozinhos. A Secretaria Estadual de Educação já anunciou a compra de seis milhões de livros e muita gente que quer contribuir já está nos procurando. Fala-se até em se formar a Associação dos Amigos da Biblioteca Pública do Paraná”, comentou o novo diretor. E salientou: “Todo aquele que quiser contribuir deve fazê-lo.”

Com relação a questões pontuais, como o grande volume de livros que não são devolvidos, Fajardo diz que o problema maior está na equipe técnica. “Temos poucos funcionários, e já no relatório de 2002 constava o pedido de contratação de mais bibliotecários, assistentes. Evidentemente teremos que mobilizar mais recursos materiais. É o nosso desafio maior”, diz. O relatório aponta que havia no ano passado 209 funcionários registrados, mas Fajardo acredita que esse número seja bem menor, já que muitos se desligaram da instituição.

Acervo

A Biblioteca Pública do Paraná, localizado no centro de Curitiba, registra movimento de três mil usuários por dia e cerca de dois mil empréstimos. O acervo total é de 470.819 volumes de 184.073 títulos diferentes. Os periódicos nacionais e estrangeiros somam 1.396 títulos, enquanto os paranaenses, 2.921. A BBP conta ainda com 9.014 gibis, cinco mil discos de vinil e 923 CDs.