O jornalista iraquiano que jogou seus sapatos no então presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, disse hoje que não se arrepende de seus atos e que faria tudo de novo, mesmo se isso custasse sua vida.

Muntadhar al-Zeidi disse à emissora de televisão suíça “Leman Bleu” que, depois de ser torturado durante dois dias na prisão iraquiana, um juiz perguntou a ele se estava arrependido.

“Eu disse apenas uma coisa ao juiz: se os ponteiros do relógio pudessem voltar, eu tomaria a mesma atitude. Mesmo que isso custasse a minha vida”, disse al-Zeidi.

O jornalista está na Suíça para se recuperar do período de prisão e lançar uma fundação a fim de ajudar vítimas da guerra no Iraque. Um advogado suíço de al-Zeidi disse que o repórter de TV chegou ontem a Genebra, com um visto de turista de três meses.

O advogado Mauro Poggia disse também que o projeto de al-Zeidi de pedir asilo na Suíça foi cancelado.