A chefe do governo interino do Quirguistão, Roza Otunbayeva, disse hoje que negociações são possíveis com o presidente deposto do país, Kurmanbek Bakiyev, embora as perspectivas de um compromisso parecem remotas, devido à desconfiança mútua e às ameaças de uso da força. Enquanto isso, o governo russo ofereceu uma doação de US$ 20 milhões ao governo interino do Quirguistão, além de um empréstimo de US$ 30 milhões a taxas baixas de juros.

Bakiyev, que está na região de Jalalabad, no sul do país, recusa-se a deixar o Quirguistão, a menos que o governo interino dê um salvo-conduto a todos os seus familiares – o que, além dos seus filhos, inclui os cinco irmãos e os numerosos sobrinhos, todos membros de um clã que enriqueceu muito sob o seu governo.

No entanto, o governo interino não ofereceu garantias a todo o clã. Um dos irmãos de Bakiyev, que chefiava o serviço de segurança do país, é acusado de ter ornado às tropas que abrissem fogo contra os manifestantes na capital quirguiz em 7 de abril. Pelo menos 83 pessoas foram mortas.

O impasse prolonga a incerteza no pequeno país da Ásia Central, onde os Estados Unidos têm uma base aérea que é chave para as operações contra o grupo fundamentalista Taleban no Afeganistão. A situação também deixa o governo interino sob pressão. Seus líderes foram levados ao poder por um protesto popular e violento e a população espera que Bakiyev e os parentes do seu clã sejam julgados por corrupção.

Auxílio russo

O governo da Rússia informou nesta quarta-feira que fará um empréstimo de US$ 30 milhões, a juros baixos, ao governo interino do Quirguistão. Além disso, a Rússia doará US$ 20 milhões ao país da Ásia Central, informou o ministro de Finanças da Rússia, Alexei Kudrin. Kudrin afirmou que os US$ 20 milhões serão doados como ajuda humanitária, para que o governo interino pague salários e pensões atrasadas e acalme a situação social muito tensa no empobrecido país.

Segundo ele, o banco estatal russo Rosselkhozbank está pronto para emprestar US$ 30 milhões, a taxas baixas de juros, às instituições financeiras do Quirguistão. Kudrin deu as declarações em entrevista coletiva em Moscou, ao lado de enviados do governo interino quirguiz.

O primeiro-ministro da Rússia, Vladimir Putin, disse à agência de notícias Itar-Tass que os protestos que derrubaram o governo de Bakiyev, na semana passada, eram um “assunto interno do Quirguistão”. Mas Putin afirmou que, de acordo com o governo interino quirguiz, o governo anterior “saqueou tudo” e o “Tesouro do Quirguistão está vazio”.

“Não cabe a nós julgar tudo isso, mas nós sempre tivemos relações especiais com o Quirguistão e o povo quirguiz. Certamente, precisamos ajudar nossos amigos nos tempos difíceis”, afirmou Putin. Com informações da Dow Jones.